PSDB cancela sessão solene no Congresso

Haverá registro dos 20 anos do partido, depois homenagem a Ruth

Christiane Samarco, BRASÍLIA, O Estadao de S.Paulo

25 de junho de 2008 | 00h00

O impacto da notícia da morte de Ruth Cardoso levou a cúpula do PSDB a cancelar ontem à noite a sessão solene do Congresso em que os tucanos celebrariam hoje o 20º aniversário do partido. "A comemoração será apenas um registro dos 20 anos de PSDB. Vamos homenagear a vida de dona Ruth Cardoso", afirmou o líder do PSDB no Senado, Arthur Virgílio (AM). Ele informou que assinará requerimento conjunto com o líder na Câmara, José Aníbal (SP), e o presidente do partido, senador Sérgio Guerra (PE), propondo ao Congresso a mudança na finalidade da sessão.Tucanos, democratas, peemedebistas e mesmo petistas lamentaram a morte de Ruth Cardoso. "Além de ser uma pessoa de grande capacidade e de grande produção intelectual, ela foi sempre comprometida com a luta pela democracia e teve papel relevante na história do País", disse o presidente do PT, Ricardo Berzoini. "Foi a maior ativista do programa de inclusão social no Brasil. Mobilizou a sociedade e o governo para a emancipação de nossa gente", ressaltou Aníbal."Ela foi uma primeira-dama ao mesmo tempo competente e discreta, capaz de produzir um programa da importância do Comunidade Solidária, tocado com recurso privado e gestão pública", afirmou o líder do DEM no Senado, José Agripino (RN). "Ela era a consciência crítica do marido, do governo e de todos nós", observou Virgílio.HERANÇAA comemoração do aniversário de fundação do PSDB pretendia colocar o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso como estrela da festa. Era intenção do tucanato ensaiar o discurso da "herança bendita legada por seu governo ao País", com que se apresentará ao eleitor na disputa presidencial de 2010. Como a idéia era reunir em Brasília todas as personalidades do PSDB, o governador de São Paulo, José Serra, telefonou ao presidente do partido assim que foi informado da morte de Ruth, solicitando o cancelamento oficial da sessão do Congresso.Além de suspender o evento, Guerra assinou nota oficial, informando aos tucanos e à Nação que o PSDB estava de luto porque perdera "uma parte de sua história". Em nota, o ministro da Defesa, Nelson Jobim, lamentou a morte de Ruth. "Foi uma mulher extraordinária, que soube honrar a condição de primeira-dama com discrição e autoridade." REPERCUSSÃOLuiz Inácio Lula da SilvaPresidente"É uma grande perda para o País. Será sempre lembrada pelas sementes que plantou em sua brilhante carreira, por iniciativas como o Comunidade Solidária"José SerraGovernador de São Paulo"A Ruth era uma pessoa muito especial, para sua família, para seus amigos, para nosso país. Um exemplo de dignidade, delicadeza, inteligência e carinho"Francisco WeffortSociólogo e ex-ministro"Me sinto triste, surpreendido. Fui aluno e colega dela, convivemos no Chile nos anos 60. Culta, inteligente, elegante, gentil. Uma influência benéfica no governo"José GregoriPresidente da Comissão de Justiça e Paz "Nosso último encontro com a Ruth foi no domingo. A obra dele (FHC) tinha muito da lucidez, inteligência e patriotismo dela"Bolívar Lamounier Cientista político"Ela parecia encarnar o que havia de melhor em cada papel que assumiu. Tinha uma posição ativa, nada decorativa. E nunca abriu mão de sua vida intelectual"Leôncio Martins RodriguesCientista político"Fiquei muito surpreso. Falei com ela na véspera, estava tão bem. Era tranqüila, sabia receber bem e equilibrar a vida acadêmica com seus papéis na vida pública"

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.