PSDB busca estratégia para recuperar imagem

Reunidos para traçar a estratégia de reação do partido à conjuntura política e econômica desfavorável, em que as pesquisas de opinião apontam queda constante da popularidade do governo e do presidente Fernando Henrique Cardoso, os dirigentes nacionais do PSDB não disfarçaram a gravidade da situação: "Chegamos ao fundo do poço, mas a eleição não é hoje e ainda há tempo de reagir", resumiu o tesoureiro nacional do partido, deputado Sebastião Madeira (MA).Apesar dos problemas, a cúpula tucana acredita que ainda há espaço para o partido e o Palácio do Planalto atuarem, e já contabiliza um êxito decorrente da movimentação dos últimos dias. "O governo mudou a pauta do País com a ação do Banco Central sobre o câmbio, a atuação do presidente na questão da seca e com a gestão do racionamento atingindo as metas", diz o presidente nacional do PSDB, deputado José Aníbal (SP), ao lembrar que, até então, o debate estava fechado exclusivamente na crise energética e política. A avaliação da executiva tucana é a de que esta mudança no debate vai acabar repercutindo positivamente na avaliação do governo pela opinião pública. "Se a pauta está mudando, a mudança nas pesquisas é uma questão de tempo", raciocina o presidente do partido. "O governo não acabou porque está segurando o câmbio, lançando o programa bolsa-escola, e é bom que não esqueçam que nosso projeto é de 20 anos", sentenciou José Aníbal ao final da reunião. Para ajudar o governo a consolidar a pauta positiva, o PSDB quer investir em uma série de iniciativas que melhorem a comunicação interna, e também a dos tucanos com a sociedade. "Temos que nos municiar melhor para enfrentar a disputa política", pregou José Aníbal na reunião, ao lembrar que os tucanos precisam ter argumentos sólidos, com dados do próprio governo, para rebater as críticas dos adversários que já estão em campanha. Mas nada de entrar na corrida presidencial agora, lançando candidatura. "Definitivamente, não é hora de definir o nosso candidato e nem sei se faremos isto este ano", adianta Aníbal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.