PSDB apresenta requerimento para ouvir Dilma na CPI

Senador Álvaro Dias faz pedido na primeira sessão da comissão, instalada nesta terça-feira

Andréia Sadi, do estadao.com.br

11 de março de 2008 | 16h24

O senador Alvaro Dias (PSDB-SP) apresentou requerimento na primeira sessão da CPI dos cartões corporativos, nesta terça-feira, 11,  pedindo a convocação da ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff. A assessoria do senador disse ao estadao.com.br que o requerimento foi feito porque a ministra se negou a "fornecer informações requeridas".  Veja também: Entenda a crise dos cartões corporativos  Após leitura, Senado instala CPI mista dos cartões Acordo dá presidência da CPI mista dos cartões ao PSDB Virgílio desiste de liminar para quebrar sigilo da Presidência  "Portanto, é fundamental a presença da Ministra nesta CPMI, tanto para explicar a recusa no acesso às informações quanto para solucionar as dúvidas existentes em relação à correta utilização dos cartões corporativos por funcionários a ela subordinados", disse o senador.  Segundo o requerimento, a ministra teria recusado a divulgar a prestação de contas mensais relativas aos meses em que se efetuaram despesas por meio de saques em dinheiro dos cartões, desde janeiro de 2003, assim como as notas fiscais. A crise dos cartões corporativos cartões começou em 13 de janeiro, quando o jornal O Estado de S. Paulo publicou reportagem, segundo a qual os gastos com cartão corporativo no governo Lula dobraram em 2007 com relação ao ano anterior. A edição trouxe Matilde Ribeiro como líder no ranking dos ministros que mais gastaram nos dois últimos anos. Matilde Ribeiro, que pediu demissão do cargo, teria usado o cartão para fazer compras em free shops, aluguel de carros e restaurantes. No total, os gastos da ministra chegaram a R$ 171,5 mil, dos quais R$ 121,9 mil para locação de veículos, sempre pagos à mesma empresa. O valor é considerado um recorde na Esplanada dos Ministérios.

Tudo o que sabemos sobre:
CPI dos cartões

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.