PSDB aposta na divisão da base aliada na votação do mínimo

Os deputados federais do PSDB que participam no Rio do seminário "Crescimento Econômico e Emprego" estão apostando na divisão da base aliada do governo federal na votação do salário mínimo, previsto para a próxima semana. Os tucanos apresentarão a proposta de que o salário mínimo seja fixado em R$ 275,00, R$ 15,00 a mais do que a proposta do governo. "As chances de ganhar a proposta do R$ 275 são enormes", disse o deputado tucano Jutahy Júnior (BA). O líder do PSDB na Câmara Custódio Mattos (MG) disse que considera "muito difícil para os parlamentares com vida pregressa de esquerda votarem contra os R$ 275". No seminário, organizado pelo PSDB, o economista da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Claudio Salm disse que apenas a elevação dos salários é capaz de reaquecer a economia, "com a expansão do mercado de baixa renda" e conseqüente geração de emprego. Salm disse que a elevação consistente do salário mínimo é fundamental para a retomada do consumo de produtos populares. O economista considerou "ingenuidade ou má-fé" por parte do governo federal a tese de que programas de transferência de renda sejam capazes de aquecer a economia a ponto de gerar emprego nos setores de produtos populares. "O Bolsa-Família não vai redirecionar a demanda. Acho esta tese desonesta", disse Claudio Salm em sua palestra. O economista da USP Gilberto Dupas chamou a atenção dos tucanos para o fato de que é preciso "enfrentar a situação real e não fazer apenas retórica". Dupas lembrou aos políticos e militantes do PSDB que, no governo Fernando Henrique Cardoso, houve aumento da carga tributária e, nos últimos anos, redução de investimentos externos. "É preciso ter cuidado ao bater nas teses do PT. Todos nós demandamos mais ação do Estado. Estou esvaziando a bola de vocês, de forma proposital. Ou a gente enfrenta a situação, ou vai fazer retórica que não sei se contribuiu para alguma coisa", disse o economista da USP. O presidente do PSDB e pré-candidato à prefeitura de São Paulo, José Serra, faz parte da mesa de debatedores do seminário.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.