ED FERREIRA/ESTADÃO
ED FERREIRA/ESTADÃO

PSC anuncia que Feliciano será candidato à Prefeitura de São Paulo

Deputado federal confirmou intenção de disputar o cargo e fez críticas à gestão de Fernando Haddad (PT)

Juliana Diógenes , O Estado de S. Paulo

31 de agosto de 2015 | 17h06

SÃO PAULO - O PSC decidiu nesta segunda-feira, 31, lançar a candidatura do deputado federal, pastor Marco Feliciano (PSC-SP), à Prefeitura de São Paulo para as eleições do ano que vem. Feliciano é integrante da bancada evangélica da Câmara e é conhecido pelas posições radicais, principalmente contra os gays. 

O anúncio da intenção do partido disputar a eleição municipal de 2016 em voo solo foi feito nessa segunda pelo presidente nacional da legenda, o pastor Everaldo, que foi candidato do PSC à Presidência no ano passado. 

Ao Estado, Feliciano confirmou a intenção de pleitear a Prefeitura em 2016 e fez críticas ao prefeito Fernando Haddad (PT), que tentará a reeleição. O parlamentar afirmou que "Haddad não tem carinho com a gestão do dinheiro" e disse que o prefeito "toma decisões de gabinete"

"Não faço aqui um juízo de valor, mas a decisão que reduziu a velocidade na cidade não levou em conta o pensamento do paulistano. Foi uma decisão de gabinete, e conosco isso não irá acontecer", disse Feliciano, ao atacar a medida tomada pela Prefeitura de reduzir o limite da velocidade nas marginais Tietê e Pinheiros, em São Paulo. 

Leia a íntegra da entrevista com Feliciano: 

Como foram as conversas no partido?

A decisão foi colegiada. Já estávamos discutindo o assunto há algum tempo. E hoje, com a presença do presidente nacional do PSC, Pastor Everaldo, do deputado Federal, Gilberto Nascimento, presidente estadual do PSC, e outros companheiros, decidimos comunicar publicamente a nossa pré-candidatura.

O senhor de fato será candidato?

A nossa candidatura é pra valer e pra ganhar. O PSC tem hoje uma visão programática muito importante para o Brasil e São Paulo, como a maior metrópole da América Latina, não pode ficar fora desse debate.

O senhor acredita que tem chance de ser eleito?

Claramente São Paulo tem vivido um desencanto com a política. Representamos uma nova mensagem para o paulistano, que passa pela eficiência da máquina administrativa e pela mudança de paradigma do papel do Estado. Isso que nos move e nos fará competitivo até o final.

Qual apoio terá?

A principal base de apoio é o paulistano que sonha com mudanças. Nós representamos um novo pensamento para o Brasil e isso foi expressado na campanha do Pastor Everaldo à Presidência da República. Qualquer apoio que receberemos terá que se basear em nosso programa.

O que o senhor acha dos outros candidatos?

Neste momento não olho para os meus adversários. Tenho por todos eles o mais profundo respeito. Cada um a seu modo, busca pensar a cidade e seus dilemas. Com exceção, é claro, do atual prefeito, que não tem demonstrado carinho na gestão do dinheiro público.

Principais bandeiras?

A principal bandeira é aproximar a administração municipal da realidade do paulistano. É entender que as políticas públicas precisam de amplo espaço para debate e convencimento. Não faço aqui um juízo de valor, mas a decisão que reduziu a velocidade na cidade não levou em conta o pensamento do paulistano. Foi uma decisão de gabinete, e conosco isso não irá acontecer. Além disso, vamos repensar São Paulo integrando os diversos atores que a nossa cidade tem. Vamos trabalhar com um profundo respeito à diversidade. Vamos pensar a cidade nas suas infinitas possibilidades e sermos criativos nas soluções. Nos próximos dias estarei reunindo um grupo técnico para levantar as demandas e apresentar caminhos para superá-las.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.