LUIS MACEDO| Agência Câmara
LUIS MACEDO| Agência Câmara

PSB vai ao STF para barrar nomeação de Lula

Justificativa do PSB seria o grampo telefônico divulgado com uma conversa entre ex-presidente e Dilma; deputados acreditam que houve 'desvio de finalidade'

Julia Lindner, O Estado de S.Paulo

17 de março de 2016 | 00h32

O deputado Julio Delgado (PSB-MG) anunciou nesta quarta-feira, 16, que a bancada do partido na Câmara dos Deputados vai pedir nesta quinta-feira, 17, o cancelamento do termo de posse do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva como ministro-chefe da Casa Civil. A cerimônia de nomeação, que aconteceria na semana que vem, foi adiantada para esta quinta, às 10h. A justificativa do PSB seria o grampo telefônico divulgado com uma conversa entre Lula e a presidente Dilma Rousseff. Os deputados acreditam que houve "desvio de finalidade".

A nota do PSB afirma que os membros da bancada do partido foram tomados por "revolta e indignação" após a notícia de que Lula havia aceitado o cargo de ministro-chefe da Casa Civil. O deputado disse que os áudios de Lula indicam "gestos toscos" e que "está claro" que o objetivo do ex-presidente era tentar obstruir as investigações. Delgado disse que ele e seus colegas de bancada são solidários ao juiz Sérgio Moro, responsável pelas investigações da Operação Lava Jato. "Se o Moro precisar, estamos aqui", afirmou.

Delgado contou também que a ação da bancada do partido foi motivada principalmente pela manifestação em frente ao Palácio do Planalto na tarde desta quarta-feira, com cerca de cinco mil pessoas, segundo a PM, onde diversos manifestantes pediram "que os deputados tomassem uma atitude". "Não cabe a nós julgar a legalidade da divulgação desses áudios, e sim o teor", informou o deputado, que disse não acreditar que a atitude de impedimento é precipitada. O objetivo dos deputados é entregar uma Ação de Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental, com fundamento no artigo 102 da Constituição, nesta quinta, às 8h, ao STF.

No grampo telefônico divulgado nesta quarta, Dilma informa Lula que um assessor vai lhe entregar o termo de posse para que ele utilize, "se necessário". Na interpretação dos deputados do PSB, a presidente e Lula teriam agido para tentar evitar que o ex-presidente fosse preso pela Polícia Federal - como ministro, Lula só pode ser investigado pelo Supremo Tribunal Federal (STF). "Lula, estou mandando o 'Bessias' com o papel que (você) só usa em caso de necessidade, que é o termo de posse", diz Dilma em conversa grampeada e liberada pelo juiz Sergio Moro. O Palácio do Planalto no entanto alegou, nesta noite, que o objetivo foi colher a assinatura de Lula no documento para o caso de ele não poder comparecer à cerimônia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.