PSB tentará negociar permanência de Garotinho na legenda

Uma comissão de dirigentes e "notáveis" do PSB vai se reunir nos próximos dias com o secretário da Segurança Pública fluminense, Anthony Garotinho, para mais uma tentativa de encontrar um acordo que viabilize a sua permanência na legenda. A iniciativa poderá ser o último movimento de parte dos socialistas para tentar evitar que o ex-candidato do partido à Presidência seja expulso ou rompa com a legenda, num processo que, na avaliação de alguns integrantes da agremiação, seria prejudicial para Garotinho, ainda sem alternativa partidária, e desgastante para a imagem pública do partido."Falta cada lado ceder um pouco para haver acordo", disse ao Estado o prefeito de São Vicente, Márcio França, que foi coordenador da campanha de Garotinho e falou com o secretário na semana passada, durante sua visita a Paris. Na ocasião, ficou acertada a reunião com uma comissão que terá a participação de França, do líder do PSB na Câmara, Eduardo Campos (PE), de um representante dos governadores e outro dos prefeitos de capital filiados à legenda.O problema, contudo, não é simples de resolver. A executiva nacional do PSB já deixou claro que a maioria dos seus membros, ligada ao presidente nacional, Miguel Arraes, não aceita que Garotinho fique no partido fazendo oposição ao governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que apóiam. Os sinais dados foram claros: rejeitaram a refiliação do secretário no processo de recadastramento de filiados e levaram seu caso à comissão de ética do PSB. Já Garotinho reagiu com gestões para, supostamente, se filiar ao PMDB ou ao PDT, numa atitude vista como tentativa de se fortalecer entre os socialistas.

Agencia Estado,

28 de julho de 2003 | 18h04

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.