PSB quer manter Integração e não teme ´rugidos´, diz Amaral

A direção do PSB reúne-se nesta quinta-feira com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva para defender o controle do Ministério da Integração Nacional e evitar que a pasta seja deslocada para o PMDB na montagem do "ministério da coalizão". "Vamos ouvir o que o presidente tem a nos dizer e até agora ele não nos indicou que vamos perder espaço. Não vamos nos assustar com rugidos", disse o presidente da legenda, ex-ministro Roberto Amaral. O PSB, que também ocupa o Ministério de Ciência e Tecnologia, será recebido por Lula às 11h30. Às 16h30, o presidente receberá dirigentes do PCdoB, que tem o Ministério dos Esportes e também quer aumentar sua participação. "O PSB saiu mais forte do processo eleitoral. Temos de manter pelo menos a mesma importância que temos hoje no Ministério, mesmo que haja remanejamento de pastas", acrescentou o líder socialista no Senado, Renato Casagrande (ES). Na próxima semana, sem data marcada, Lula receberá a direção do PT, encerrando a rodada de conversas com dirigentes dos onze partidos que formam a coalizão de governo. O novo ministério deve ser anunciado nos primeiros dias de março. Além dos partidos que já estavam no governo (PT, parte do PMDB, PSB, PCdoB, PP, PL, que agora é PR, PTB e PV), Lula terá de incorporar no primeiro escalão o PDT e a ala do PMDB ligada ao presidente do partido, Michel Temer (SP). Na última semana, Lula informou a Temer que o PMDB vai manter os Ministérios de Minas e Energia, Comunicações e Saúde e vai ganhar mais um, para ser indicado pela bancada do partido na Câmara. Os aliados de Temer queriam o Ministério dos Transportes, mas Lula decidiu devolver a pasta ao ex-ministro Alfredo Nascimento, eleito senador pelo PR. Por isso, o PMDB passou a contar com a indicação do deputado Geddel Vieira Lima (BA) na Integração Nacional, de perfil semelhante a Transportes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.