PSB não perde nada com saída dos irmãos Gomes, diz Campos

Presidenciável participou de evento na região metropolitana em clima de campanha

Angela Lacerda, O Estado de S. Paulo

28 de setembro de 2013 | 16h11

PAULISTA - O governador de Pernambuco e presidente nacional do PSB, Eduardo Campos, disse ontem que o partido nada perde com a saída dos irmãos Gomes - o governador Cid e o ex-ministro Ciro. "Na verdade, só se perde o que se tem", afirmou o provável candidato à Presidência em 2014, após vistoriar obras de contenção do mar na praia de Pau Amarelo, município metropolitano de Paulista, ao lado do ministro demissionário da Integração Nacional, Fernando Bezerra Coelho.

Campos não lamentou o desembarque de mais de 300 filiados ligados aos Gomes no PSB cearense. O governador e o ex-ministro defendem a reeleição da presidente Dilma Rousseff. "O que aconteceu nos últimos dias no PSB foi um debate muito franco, equilibrado. Havia uma disputa política colocada, de visão, e um conjunto venceu de forma muito expressiva este debate", afirmou ele. "Agora é olhar para frente, o Brasil sabe que o PSB tem o intuito de poder contribuir com suas teses, sua visão", observou. "Vem crescendo a três eleições seguidas no Brasil e acho que em 2014 vamos crescer mais ainda."

Sobre as acusações de Ciro Gomes, que o chamou de mentiroso e classificou de "canalhice" a forma como ele agiu com o PSB cearense, Campos disse que é preciso saber ganhar e saber perder. "A gente tem que saber ganhar senão não ganha outra vez e quem perde tem que saber perder, porque se não sabe perder, termina perdendo todas."

A última pesquisa do Ibope sobre sucessão presidencial mostrou Campos com 4% das intenções de voto. Bem humorado, o governador pernambucano disse já ter visto muita gente ganhar pesquisa e perder eleição e também gente perder pesquisa e ganhar eleição. "É melhor ganhar eleição do que ganhar pesquisa", afirmou.

Fogos. Eduardo Campos foi recebido com fogos, frevo e ciranda, em clima de campanha, no evento que reuniu muita gente - incluindo crianças da escola municipal - no Forte de Pau Amarelo. Posou para fotos, ganhou presente e recebeu homenagem do prefeito Júnior Matuto (PSB) que encerrou seu discurso dizendo "Hoje tenho um amigo governador e amanhã vou ter um amigo presidente."

O ministro Fernando Bezerra Coelho, que recebeu título de cidadão paulistense, demonstrou estar sintonizado com o projeto do seu partido. "O PSB tomou a decisão de se apresentar com projeto próprio, na perspectiva de ter candidatura presidencial", afirmou.

Elogiou o governo Eduardo Campos e reforçou o mote da legenda, que reconhece os avanços promovidos pelos governos Lula e Dilma, mas afirma que a população quer mais.

"O Brasil se aproxima de uma luta importante", afirmou, no seu discurso, ao defender ser este o momento de o PSB levar ao País "uma proposta de caminho que possa atender ainda mais rapidamente os anseios e as expectativas dos que querem um Brasil mais igual, justo e fraterno".

Coelho se encontra com Dilma na segunda-feira para discutir a data de sua saída do ministério. Ele entregou o cargo há mais de uma semana, quando o PSB decidiu deixar o governo federal, mas a presidente pediu para ele permanecer por mais algum tempo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.