PSB está mais próximo dos tucanos em São Paulo, diz Márcio França

Presidente do Diretório Estadual da sigla ressalta que seguirá a orientação nacional do partido

Daiene Cardoso, da Agência Estado,

05 de março de 2012 | 15h37

SÃO PAULO - O presidente do Diretório Estadual do PSB e secretário estadual do Turismo, Márcio França, admitiu nesta segunda-feira, 5, que existe uma proximidade maior de seu partido com o PSDB em São Paulo, mas ressaltou que a política de alianças do partido passará pelo referendo do presidente nacional da sigla, o governador de Pernambuco, Eduardo Campos. "O que é certo, é que nossa posição nunca será contrária à do governador Eduardo", afirmou. E lembrou que nos últimos anos nunca houve um processo de intervenção do Diretório Nacional nas instâncias inferiores. "Não é tradicional no partido esse tipo de procedimento", complementou.

O líder do partido no Estado disse, por várias vezes, "que a opinião do governador evidentemente conta", mas que no quadro atual, a sigla caminha ao lado dos tucanos. "O certo é o seguinte: a convivência vai aproximando as pessoas e hoje a gente está convivendo com o PSDB, por conta do governo (Geraldo Alckmin)", afirmou França.

Segundo o secretário de Turismo do governo paulista, antes da entrada de José Serra na disputa, o partido já havia ponderado com Alckmin a possibilidade de não se aliar naturalmente com os tucanos na Capital. "Na época, foi dito ao governador Geraldo Alckmin de todas as nossas dificuldades, caso fosse o ex-governador José Serra o candidato. Que a eleição seria muito nacionalizada", recordou.

França ponderou que o PSB vem costurando alianças tanto com os tucanos quanto com os petistas em todo o Estado. "O quadro estadual hoje está numa engenharia com mais de 50 cidades importantes, a maioria com o PSDB. Mas, temos também relações duradouras com o PT em cidades da Grande São Paulo e do ABC", explicou.

O líder pessebista disse que cumpre uma função política no governo Alckmin e que não teria dificuldade em deixar a administração estadual, caso o seu partido venha a apoiar o pré-candidato do PT à Prefeitura, Fernando Haddad. "Naturalmente que eu criei com o governador (Alckmin) uma relação de proximidade política, pela convivência e não vou constrangê-lo e nem ficar constrangido", afirmou.

Na mesma linha do que havia afirmado mais cedo o governador Eduardo Campos, França destacou que os diretórios estadual e municipal da sigla não definiram, ainda, quem o partido pretende apoiar neste pleito, nas eleições pela Prefeitura da Capital. "O quadro estadual e municipal ainda está em processo de evolução", justificou. E revelou que tem simpatia pessoal por Haddad, mas que a situação do PSB hoje é de maior proximidade com os tucanos. "Se for por uma tendência local, o que posso mensurar hoje é uma posição pró-PSDB".

Questionado se o partido estaria disposto a negar apoio ao candidato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, França disse que nem sempre PSB e PT caminharam juntos. "Muitas vezes, a gente pode estar juntos em eleições, mas eu ressalto que a gente não está junto em outras tantas eleições". Para o pessebista, apesar do respeito "ao craque Lula", ele acredita que o ex-presidente saberá respeitar uma posição contrária do PSB. "Ele vai compreender, do mesmo jeito que muitas vezes a gente pediu coisas para ele, que ele não pôde ceder."

Tudo o que sabemos sobre:
eleiçõesSPPSBMárcio França

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.