Ed Ferreira/Estadão
Ed Ferreira/Estadão

PSB e Rede podem se separar em Estados, diz Marina

Segundo ex-ministra, partidos podem apoiar candidatos diferentes nas eleições de 2014

Laís Alegretti - O Estado de S. Paulo,

15 Dezembro 2013 | 13h57

A ex-ministra Marina Silva reconheceu que, no âmbito regional, militantes da Rede Sustentabilidade e do PSB podem apoiar candidatos diferentes para as eleições de 2014. O governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), por outro lado, destacou que tem informação de que em 20 dos 26 Estados e Distrito Federal já há entendimento entre os dois grupos. "Mais de 20 Estados já caminham muito aplainado, muito tranquilo, entre militância da Rede e o PSB, inclusive do ponto de vista do debate eleitoral regional", afirmou.

 

"A nossa aliança não é verticalizada. Ela não estabelece para a lógica dos Estados a mesma do plano federal", afirmou Marina. Ela destacou, entretanto, que a estratégia é discutir um plano nacional para depois compor os planos regionais. "Não teremos como ter um bom programa no plano nacional que não se reflita nos Estados", afirmou.

 

Para Campos, mesmo nos Estados onde existirem "composições diversas" haverá coligações com coerência. "Se procurar nas outras (alianças), não verá esse nível de unidade entre a campanha nacional e as campanhas regionais", afirmou. Marina afirmou que ela e Eduardo Campos participarão de eventos nos dias 18 e 19 na Bahia.

 

Vice. Marina afirmou que o nome para vice da esperada candidatura de Campos não foi discutido e que o apoio da Rede não depende de espaço na chapa do pernambucano em 2014. "Fica Campos como presidente. Essa história de vice ninguém discutiu", afirmou. "Quando conversei com o PSB, em momento algum o apoio foi condicionado a ocupar espaço dentro da chapa", afirmou, em referência à união da Rede Sustentabilidade ao partido de Campos.

 

Questionada se o presidente nacional do PPS, deputado Roberto Freire (SP), seria um bom nome para vice de Campos, Marina respondeu que não quer antecipar a discussão. Freire vai se reunir com Campos amanhã para firmar o apoio do PPS em 2014 ao governador de Pernambuco. "As lideranças do PPS estarão discutindo tanto quanto as lideranças da Rede e do PSB qual será a melhor construção para darmos a melhor contribuição para o País", afirmou.

 

"As pessoas querem que a gente esteja sempre colocando a carroça diante dos bois. Mas queremos que as coisas tenham curso natural", afirmou Marina.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.