PSB e PT chegaram ao consenso, diz Campos sobre slogans

Governador de Pernambuco se referiu à frase dita por Dilma "é possível fazer cada vez mais", parecida com o programa do PSB

Tiago Décimo - O Estado de S. Paulo

29 Abril 2013 | 17h37

O governador de Pernambuco e presidente nacional do PSB, Eduardo Campos, demonstrou ter gostado da publicidade partidária gratuita do PT na televisão, na qual a presidente Dilma Rousseff disse que "é possível fazer cada vez mais" - frase muito semelhante à adotada por ele há algum tempo ("É possível fazer mais"). Ao ser perguntado sobre como viu a publicidade partidária gratuita do PT, Campos disse: "Construímos um consenso."

Além disso, negou que haja conflitos na relação com Dilma. "Minha relação com a presidente é a mesma de sempre - e vocês (jornalistas) sempre disseram que era ótima." De acordo com ele, "é muito importante que o PSB e a presidente falem na mesma linha". "O PSB compreende que essa é uma caminhada, que vem de longe, na qual muitos colaboraram, e chegamos até aqui - e é fundamental que possamos ter a compreensão de que sempre é possível fazer mais", disse. "Quem está na vida pública tem de sempre sonhar em fazer mais.

No governo de Pernambuco, eu sempre procuro fazer mais e melhor, com menos recursos, em menos tempo. Esse é um consenso que vem se estabelecendo e é bom que a gente tenha produzido esse debate para que todos possamos ter a clareza que há muito mais a ser feito." Participante do 12.º Fórum de Comandatuba, um dos principais eventos empresariais do País, realizado em Una, no litoral sul da Bahia, Campos virou o centro das atenções de boa parte dos empresários e políticos que prestigiaram o encontro.

Travou várias conversas com parlamentares, prefeitos e governadores tanto de situação como de oposição e iniciou uma negociação com o presidente da P&G no Brasil, Alberto Carvalho, para a instalação de uma fábrica da empresa em Pernambuco. Ao deixar o evento, na tarde desta segunda-feira, o governador de Pernambuco e presidente nacional do PSB disse que começa nesta quarta-feira (01), feriado nacional do Dia do Trabalho, uma viagem "de alguns dias" pelo interior do Estado.

"Estou indo fazer uma série de visitas ao Sertão", afirmou. "Escolhemos passar o 1.º de maio, dia de comemoração da luta dos trabalhadores, junto aos trabalhadores sertanejos que estão vivendo um momento extremamente duro, com a maior estiagem dos últimos 50 anos. Mas a agenda ainda não está definida."

Maioridade penal

Campos também comentou a discussão acerca da maioridade penal - e deu a entender que é contra a medida. "Um país que acha que vai resolver seus problemas de segurança aumentando penas para adolescentes e crianças talvez não esteja enxergando as raízes do problema", afirmou.

"Tenho estudado esse tema de forma dedicada nos últimos anos e posso dizer que não existe solução mágica", disse. "O caminho é colocar as crianças na escola, fazer o Brasil continuar crescendo, gerando inclusão, distribuir renda e oportunidades. É um caminho mais longo, muito mais difícil, mas é o único consistente para a gente fazer um País como o nosso não ter medo de criança e adolescente."

Segundo o governador de Pernambuco e presidente nacional socialista, a experiência do Estado no combate à violência pode ser vista como exemplo. "Em nosso Estado, há seis anos o programa Pacto pela Vida tem conseguido resultados extraordinários na redução da criminalidade", disse. "O único Estado do Nordeste que reduziu os índices de violência nos últimos dez anos foi Pernambuco. Reduzimos em mais de 50% (os índices) no Recife, que era conhecida como a capital mais violenta do País."

Mais conteúdo sobre:
Eduardo Campos consenso PT

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.