Adriano Machado/Reuters - 4/9/2019
Adriano Machado/Reuters - 4/9/2019

PSB, com uma senadora, declara apoio a Simone Tebet para presidência do Senado

Candidata do MDB soma quatro partidos na aliança, incluindo a própria bancada

Daniel Weterman, O Estado de S.Paulo

20 de janeiro de 2021 | 13h08

BRASÍLIA - O PSB declarou apoio para Simone Tebet (MDB-MS) na disputa pela presidência do Senado. O partido tem uma integrante na Casa, a senadora Leila Barros (PSB-DF). Com isso, a candidata do MDB soma quatro partidos na aliança, incluindo a própria bancada, e 28 senadores, sem contar as divisões internas.

Tebet também atraiu o apoio do Podemos e do Cidadania. O senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG), por sua vez, fechou acordo com nove legendas, que representam 41 senadores, número suficiente para uma vitória na eleição. Dos dois lados, porém, há dissidências. No dia da eleição, o voto é secreto. 

Uma nota assinada como posicionamento oficial do PSB e da senadora justifica a escolha pela possibilidade de o Congresso ter a primeira mulher como presidente, além de independência em relação ao Palácio do Planalto. Leila Barros é aliada de Alcolumbre, mas faz parte de um partido de oposição ao governo e decidiu se aliar à candidata do MDB. "A candidatura inédita de uma mulher à presidência do Senado é um fato histórico."

"Simone Tebet garantirá independência e autonomia para o Senado e o Congresso Nacional. A senadora também demonstrou em diversos momentos que tem capacidade para dialogar com diversas lideranças políticas", diz a nota. 

Para contrapor o favoritismo de Pacheco, apoiado pelo atual presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e pelo presidente Jair Bolsonaro, Tebet decidiu apostar em uma bandeira de independência em relação ao Executivo. A intenção é formar um discurso único com o candidato Baleia Rossi (MDB-SP), candidato à presidência da Câmara, para contrapor o Palácio do Planalto na sucessão. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.