PSB articula bloco para disputar presidência da Câmara

Sigla tenta firmar aliança com PPS, PV e Solidariedade que, caso seja concretizada, terá 67 parlamentares, número suficiente para colocar Júlio Delgado na disputa da presidência da Casa

Fábio Brandt, O Estado de S. Paulo

27 de novembro de 2014 | 18h15

Brasília - O PSB tenta montar um bloco de oposição ao governo de Dilma Rousseff dentro da Câmara dos Deputados para impulsionar seu candidato a presidente da Casa, o deputado mineiro Júlio Delgado. 

Caso se concretize a aliança com o Solidariedade, o PPS e o PV, o bloco nascerá com 67 deputados federais, um número suficiente para colocar Delgado no clube dos competitivos. Até agora, fazem parte desse grupo o candidato do PMDB, Eduardo Cunha (RJ), e um candidato do PT, que já decidiu entrar na disputa mas não definiu quem apoiar.

O PT deve começar a próxima legislatura com 69 deputados. O PMDB, com 66 deputados. Nenhum dos dois, até agora, sinalizou montar bloco com outros partidos.

Um bloco parlamentar é uma aliança entre legendas que decidem atuar como se fossem uma só dentro da Câmara. Na eleição para presidente da Casa, ter um bloco com muitos integrantes agrega força à candidatura. Isso, segundo mostra a história do Legislativo, também pode forçar os outros competidores a negociar cargos e outras vantagens para que o bloco mude de posição e retire seu candidato.

No caso do PSB, seus integrantes dizem que a candidatura de Delgado é para valer. Nas últimas duas eleições para o cargo, ele concorreu mesmo sem apoio da legenda. Agora, seus colegas acreditam que ele participará de novo. Com uma diferença: desta vez a cúpula do PSB se engajou na campanha.

Quem negocia a formação do bloco com os presidentes dos outros partidos é o próprio presidente do PSB, Carlos Siqueira, e o deputado Márcio França, que ganhou importância ao ser eleito vice-governador de São Paulo neste ano. Em 2011 e em 2013, o então presidente do PSB, o falecido governador Eduardo Campos, de Pernambuco, deixou Delgado à deriva, sem apoio institucional, e ajudou outros candidatos.

Neste ano, o PSB negocia ainda com o PSDB, do senador Aécio Neves, principal líder da oposição a Dilma. Os tucanos não fecharam posição ainda porque querem apoiar um candidato capaz de vencer o nome escolhido pelo PT. Seja ele quem for, dizem alguns tucanos. Eles admitem até mesmo se aliar a Eduardo Cunha.

A simples abertura do diálogo entre PSB e PSDB é outra diferença com relação aos anos anteriores. Em 2013, Aécio priorizou formar um bom relacionamento com o PMDB e apoiou a eleição de Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), atual presidente da Câmara e integrante da base governista. Por esse motivo, ele deixou de lado, naquela ocasião, a candidatura oposicionista de Delgado.

Fusão. O presidente do PPS, deputado Roberto Freire (SP), afirma que o bloco com o PSB, se formado, deve continuar existindo mesmo depois da eleição do presidente - apesar de as regras permitirem sua rápida dissolução. 

O ajuntamento é útil para todos seus integrantes porque a distribuição de cargos na Mesa Diretora da Câmara e as presidências das comissões temáticas costuma ser feita respeitando o tamanho de cada partido ou bloco. Ou seja: quem é mais numeroso escolhe primeiro e pode receber mais cargos na estrutura de poder interno do Legislativo.

Além disso, diz Freire, essa aliança é uma aproximação entre as siglas que pode resultar, no futuro, numa fusão entre seu partido e o PSB. Ele afirma que as legendas têm pontos comuns em suas histórias e, caso a legislação se torne mais atraente para as fusões, a união pode ocorrer.

O presidente do Solidariedade, deputado Paulinho da Força (SP), diz que o grupo também trabalha para reproduzir o bloco em todas as assembleias legislativas estaduais. A ideia, de acordo com ele, é manter a aliança até nas coligações eleitorais: em 2016, para prefeitos e vereadores, e em 2018, para deputados estaduais e federais, senadores, governadores e presidente da República.

Tudo o que sabemos sobre:
PSBJulio DelgadoCamara dos Deputados

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.