PSB anuncia oficialmente saída do governo Dilma

O presidente nacional do PSB e governador de Pernambuco, Eduardo Campos, oficializa=ou nesta quarta-feira, 18, a saída do partido do governo Dilma Rousseff. Campos, que poderá lançar sua candidatura à Presidência da República em 2014, disse que agora o governo petista pode se sentir mais confortável sem o PSB ocupando cargos no Executivo. "A gente deixa o governo mais à vontade e a gente fica mais à vontade", resumiu. Apenas o governador Cid Gomes (Ceará) se opôs à carta de entrega dos cargos.

DAIENE CARDOSO E JOÃO DOMINGOS, Agência Estado

18 de setembro de 2013 | 15h32

Campos afirmou que pretende oficializar a decisão do PSB ainda nesta quarta-feira à presidente Dilma Rousseff e que aguardará um telefonema do gabinete presidencial confirmando o encontro. "O futuro do País não passa por cargos", defendeu.

O governador destacou que a sigla desembarca do governo com "respeito à presidente", mas que continuará atuando no mesmo campo político. "Não vamos desconsiderar o nosso campo político", reiterou. Segundo Campos, a partir de agora ficará "mais fácil falar (publicamente) das divergências". Em seu discurso, Campos disse que o PSB fica livre para discutir a sucessão presidencial do ano que vem.

Apesar das informações de bastidores, Campos negou que a pressão do PT tenha acelerado o processo do PSB ou provocado constrangimentos. Durante a entrevista coletiva, o governador lembrou que o partido chegou a cogitar a saída do governo em junho, período das manifestações, mas que concluiu que naquele momento não poderia deixar o governo.

O presidenciável disse que os cargos do PT nos Estados governados pelo PSB não estiveram em discussão na reunião desta manhã. Ele reafirmou que o partido só discutirá sua possível candidatura em 2014.

Participaram da reunião da Executiva do partido o vice-presidente da sigla, Roberto Amaral, os governadores Cid Gomes (Ceará), Wilson Martins (Piauí) e Ricardo Coutinho (Paraíba), o atual ministro da Integração Nacional, Fernando Bezerra, os líderes da Câmara e do Senado, deputado Beto Albuquerque (RS) e senador Rodrigo Rollemberg (DF), além dos deputados de São Paulo, Márcio França e Luiza Erundina. Leônidas Cristino, da Secretaria dos Portos, está em agenda no exterior.

O PSB ocupa o Ministério da Integração Nacional, três diretorias da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf), a Secretaria dos Portos, as presidências da Superintendência de Desenvolvimento do Centro-Oeste (Sudeco) e da Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (Chesf).

Mais conteúdo sobre:
PSBgovernosaída

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.