PRTB começa a articular candidatura de Collor

A volta do ex-presidente Fernando Collor de Melo (PRTB) ao cenário político terá como objetivo final a disputa à Predidência da República em 2006. Para isso, o ex-presidente concorrerá nas próximas eleições a uma vaga no Senado pelo Estado de Alagoas, com o objetivo de ganhar mais visibilidade nacional para a disputa de 2006. Quem revela o plano de vôo de Collor é o presidente nacional de seu partido, José Levy Fidélix, que comandou hoje um encontro com diversos representantes municipais do PRTB, na sede do partido em São Paulo.Segundo ele, a possibilidade de Collor candidatar-se ao governo de Alagoas em 2002 é um tanto remota, uma vez que o cargo de senador daria mais visibilidade em nível nacional ao ex-presidente, sempre com vistas à cadeira do Planalto em 2006. "Com um bom mandato como senador, Collor terá a visibilidade necessária para voltar à Presidência em 2006", explicou Fidélix, que ainda decide se concorrerá ao governo de São Paulo ou a um cargo de deputado federal nas próximas eleições.Questionado se o passado de Collor não prejudicaria uma eventual disputa à Presidência - ele foi o primeiro presidente da história da República a sofrer um processo de impeachment, por suspeitas de corrupção, e deixar forçosamente o cargo antes do término do mandato - Fidélix alega que nos últimos 10 anos nada se provou contra o ex-presidente. "Foi uma cassação injusta e o tempo é o senhor da razão. Nada foi provado contra o Collor até hoje. Ao contrário da administração atual, que tem claramente a corrupção no seu seio, como os casos da Sudene, Sudam e de algumas privatizações suspeitas", comenta o presidente do PRTB.Ele disse acreditar ainda que seu partido terá um substancial crescimento após as eleições de 2002. "Temos dados que indicam um potencial de fazermos um governador (em Roraima), um senador (Collor, por Alagoas), 10 a 12 deputados federais e 40 a 50 deputados estaduais. Com isso, o PRTB deixará de ser um partido pequeno para se tornar um partido médio", diz Fidélix.Sobre os boatos de que o ex-prefeito de São Paulo, Paulo Maluf (PPB), participaria hoje do encontro com os representantes municipais do PRTB, Fidélix disse que há uma grande convergência das propostas dos dois partidos sobre questões administrativas da cidade, mas procurou isolar qualquer relação próxima a Maluf. "Não tenho um passado negro", espetou o presidente do PRTB.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.