Provocado, Lula promete reforma agrária pacífica

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi o convidado de honra da cerimônia de abertura da 69.ª Expozebu, no Triângulo Mineiro, mas ouviu uma cobrança clara dos empresários agrícolas: a garantia de paz no campo. O anfitrião da festa, o presidente da Associação Brasileira dos Criados de Zebu (ABCZ), José Olavo Borges Mendes, anunciou logo no início de seu discurso que não poderia deixar de manifestar a grande preocupação do setor com a questão das invasões de terra e com o desrespeito à legislação fundiária. "O campo também clama por paz, diante da insistência de poucos em um radicalismo que não condiz com os propósitos do povo e é desnecessário", afirmou Mendes. "O Brasil reúne todas as condições para fazer reforma agrária pacífica e eficaz. O campo precisa de tranqüilidade, segurança para trabalhar e de crédito para crescer." A resposta de Lula também foi em tom enfático. "Vou fazer a reforma agrária mais tranqüila e mais pacífica que o País já viu na sua história", discursou, olhando diretamente para o presidente da ABCZ. "Tem tempo certo para isso acontecer. Numa mesa de negociação vamos anunciar ao Brasil o começo da reforma agrária neste País", complementou. Lula voltou a afirmar que sua proposta de reforma agrária não "é só colocar mais gente no campo, mas sobretudo cuidar melhor daqueles que já estão no campo e que durante muitos anos não receberam os recursos na hora certa para financiar sua agricultura". O presidente da ABCZ disse no discurso: "Uma preocupação com a defesa dos direitos das propriedades rurais não é uma defesa de privilégios. É uma defesa de direitos elementares, como o direto de qualquer cidadão." Mendes afirmou também que "quando se desrespeita o proprietário rural com a invasão de sua propriedade não é apenas o direito de um indivíduo que está sendo desrespeitado, é uma afronta a um estado de direito, à democracia e a paz social". Depois que acabou a cerimônia, o presidente da ABCZ se reuniu com o ministro do Desenvolvimento Agrário, Miguel Rossetto, por quase uma hora. CooperativasDurante o discurso, Lula voltou a falar no fortalecimento do cooperativismo no Brasil. "Queremos dar à agricultura familiar a noção de que é preciso se organizar em cooperativas. Este país será no final do meu mandato o país mais importante na organização de cooperativas do mundo."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.