Protógenes vê ''corrupção instalada em todos os Poderes da República''

O delegado Protógenes Queiroz afirmou na noite de terça-feira que "a corrupção está instalada em todos os Poderes da República". Mas ressalvou que, da mesma forma, "em todas estas instâncias existem homens corretos". Ele falou em uma palestra aos alunos da Faculdade de Direito da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.Ele acusou o ministro da Agricultura, Reinhold Stephanes, de ter pagado fiança de R$ 500 mil para a libertação de um laranja paraguaio de nome Nunes Soza, detido com uma mala contendo R$ 5 milhões que seriam depositados numa conta CC-5 em Foz do Iguaçu. As CC-5 eram contas bancárias nas quais depósitos em reais eram convertidos em dólares e depois transferidos para paraísos fiscais. Na época Stephanes era presidente do Banestado.A assessoria do ministro disse desconhecer a investigação relatada por Protógenes e salientou que, na presidência do Banestado, Stephanes saneou o banco.O delegado também afirmou que a evasão de divisas através das CC-5 ultrapassou US$ 10,5 bilhões entre 2001 e 2008. Segundo ele, este dinheiro tem origem no contrabando, no narcotráfico e 80% em recursos públicos desviados. Afirmou que a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) teria contabilizado R$ 17 milhões usados por associados para pagar propinas. O assessor de imprensa da Fiesp, Ricardo Viveiros, disse que a afirmação é mentirosa. "Há cinco anos fazemos lobby de forma decente, legal. Levamos argumentos técnicos aos deputados, senadores e gestores públicos para conseguir nossas demandas", afirmou. Protógenes disse que sua vocação para policial nasceu depois de dar-se conta de que nesta função poderia investigar e prender até mesmo o presidente da República.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.