Protógenes faz retificações em depoimento ao MP

O delegado da Polícia Federal Protógenes Queiroz retificou três vezes seu depoimento. Depois que esteve no Ministério Público Federal no dia 12 de setembro passado, para detalhar os meandros da Satiagraha - operação da PF comandada por ele e que resultou na prisão temporária do sócio-fundador do Grupo Opportunity, Daniel Dantas -, o delegado visitou outras três vezes a Procuradoria da República no Distrito Federal para ?esclarecer? e ?retificar? detalhes de sua primeira declaração.

AE, Agencia Estado

24 de março de 2009 | 09h57

A cada ida ao Ministério Público, Protógenes apresentava versões distintas. Uma das diferenças que chama a atenção se dá entre o primeiro e o último depoimento, realizado na semana passada. Em setembro, Protógenes foi categórico ao afirmar que tanto o juiz Fausto De Sanctis quanto o procurador da República Rodrigo De Grandis ?sabiam do auxílio? da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) na Satiagraha. No último dia 18, o ex-chefe da Satiagraha disse que os dois ?não foram informados sobre a participação de agentes da Abin? na operação.

Protógenes também modificou sua versão original sobre as participações de integrantes da Inteligência Militar (Aeronáutica). Na primeira vez que falou ao Ministério Público, o delegado da Polícia Federal disse que ?coube a Idalberto? (militar da ativa) a responsabilidade de acompanhar deslocamentos de aeronave ?e a Rodopiano (militar reformado) a de levantar a localização de aeronaves?.

Apenas 11 dias depois, no dia 23 de setembro, o delegado procurou novamente o órgão para ?retificar? suas declarações. Disse que Rodopiano ?levantou a localização do deslocamento de aeronaves, e não o sargento Idalberto?. A Idalberto, afirmou Protógenes em seu novo relato, coube ?apenas? a indicação de Francisco Ambrósio do Nascimento para ?colaborar com a investigação?. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
SatiagrahaProtógenesdepoimentos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.