Protógenes espionou autoridades ilegalmente, diz revista

Segundo 'Veja', computador apreendido do delegado da Satiagraha contém dados sobre rede de espionagem

da Redação,

07 de março de 2009 | 11h51

O delegado Protógenes Queiroz, que esteve sob o comando da operação que prendeu o banqueiro Daniel Dantas, espionou ilegalmente a vida de autoridades, como a ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff; o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes; a ante-sala do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no Palácio do Planalto; o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, além de deputados, senadores e advogados, informa a reportagem da edição desta semana da revista Veja.   Veja também: Operação Satiagraha As prisões de Daniel Dantas Os alvos da Operação Satiagraha Relatório da CPI não pede indiciamento de Protógenes e Dantas   As informações, ainda segundo a publicação, estariam em um computador apreendido na casa de Protógenes. "Nos documentos há relatórios que levantam suspeitas graves sobre as atividades de ministros do governo, fotos comprometedoras que foram usadas para intimidar autoridades e gravações ilegais de conversas de jornalistas - tudo produzido e guardado à margem da lei", diz Veja.   O material clandestino incluía 63 fotografias, 932 arquivos de áudio, 26 arquivos de vídeo e 439 documentos em texto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.