Protógenes é um 'servidor a mais', diz diretor-geral da PF

Corrêa afirmou ainda que vai se reunir nesta tarde com direção da Abin e PF para 'agilizar' investigações

Agência Brasil

18 de novembro de 2008 | 13h53

O diretor-geral da Polícia Federal, Luiz Fernando Corrêa, disse nesta terça-feira, 18, que o delegado Protógenes Queiroz é um "servidor a mais" no órgão, sobre a possibilidade dele voltar a conduzir a Operação Satiagraha.   Veja também: As prisões de Daniel Dantas  Os alvos da Operação Satiagraha  Juiz De Sanctis continua no caso Satiagraha, decide TRF-3   "Ele é um servidor a mais como qualquer outro da Polícia Federal. Estamos usando cada um dentro do seu potencial e de forma a dar maior retorno ao serviço. Não personalizamos a gestão da polícia ou as operações. Isso não é patrimônio de ninguém, é o Estado brasileiro reagindo ao crime."   O diretor-geral da Polícia Federal informou ainda que, na tarde de hoje, irá se reunir com a direção da Abin na sede da Polícia Federal para "agilizar e estreitar" os processos de investigação internos.   Durante o lançamento de um novo sistema de apoio ao Departamento de Polícia Federal (DPF) no controle e fiscalização de produtos químicos, ele evitou comentar os últimos episódios da Operação Satiagraha e afirmou apenas a Polícia Federal "está funcionando plenamente".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.