Protógenes é suspenso da PF, passo decisivo para expulsão

Delegado da Operação Satiagraha deve ser demitido por ter participado de comício político em Poços de Caldas

O Estado de S. Paulo,

06 de novembro de 2009 | 22h51

A Polícia Federal suspendeu por 60 dias o delegado Protógenes Queiroz por participação em comícios políticos. A medida é um passo decisivo no processo de expulsão do ex-chefe da Operação Satiagraha. Recomendado pela corregedoria da PF, o processo de suspensão está agora nas mãos do ministro da Justiça, Tarso Genro, chefe hierárquico do órgão. De acordo com a assessoria do órgão, caberá a Genro avaliar e confirmar uma eventual pena de expulsão de Protógenes da corporação.    

 

Veja também:

link Protógenes diz que PF o demitirá na 2ª e que recorrerá

 

A comissão do processo disciplinar contra o delegado foi aberta no dia 3 de abril passado, para investigar a participação de Protógenes em campanhas eleitorais - o problema está na gravação feita para o candidato do PT à Prefeitura de Poços de Caldas, Paulo Tadeu Silva D' Arcádia.

 

Protógenes vinha alegando que, tanto na campanha de D' Arcádia como na gravação usada pela deputada Luciana Genro (PSOL-RS) na disputa pela Prefeitura de Porto Alegre, suas participações foram "acidentais", que eram entrevistas colhidas espontaneamente e sem que soubesse a utilidade futura.

 

O vídeo de Poços de Caldas não deixa dúvida de que o delegado posou para dar um depoimento, sabia o que estava gravando e seu uso eleitoral. O depoimento de 29 segundos foi ao ar no dia 29 de setembro de 2008. A frase gravada e exibida pelo candidato D' Arcádia é considerada propaganda eleitoral - com a agravante de Protógenes se identificar como funcionário público e falar na condição de delegado da PF, o que é terminantemente proibido pelo estatuto do órgão.

 

O vídeo, com a identificação do delegado ao lado da estrela do PT e o número 13, começa assim: "Sou o delegado da Polícia Federal Protógenes Queiroz, (vim) para trazer o meu apoio e a minha solidariedade à candidatura do prefeito Paulo Tadeu." Em seguida, ele endossa explicitamente a ideia do candidato de levar para Poços de Caldas uma delegacia da PF.

 

''CONTORNO ACIDENTAL''

 

No dia 17 de setembro de 2008, o delegado também virou personagem da campanha da deputada Luciana Genro. Mas a comissão disciplinar, numa avaliação preliminar, considerou que essa participação, embora proibida, tem um "contorno acidental", explicou uma fonte da PF ao Estado. "Objetivamente, as participações são diferentes."

 

A gravação de Luciana foi feita numa rua de Porto Alegre, com o depoimento de Protógenes misturado ao de outros eleitores. Ele e os demais defendem o combate à corrupção. O delegado pede que as pessoas "engrossem as fileiras do combate à corrupção no País, com toda a população, em especial o povo gaúcho".

 

Em meio aos depoimentos está a frase que também infringe o estatuto da PF e é dita na condição de delegado: "Estou com Luciana Genro, para ela sair dessa campanha com sucesso."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.