Protógenes diz que foi espionado por grupo de Dantas

O delegado da Polícia Federal que comandou a Operação Satiagraha, Protógenes Queiroz, disse em entrevista publicada na edição de hoje do jornal O Estado de S. Paulo que foi espionado durante toda a investigação que envolveu o sócio-fundador do Grupo Opportunity, Daniel Dantas. "Na análise das conversas do grupo de Daniel Dantas, ficou claro que sabiam de toda minha movimentação", afirmou. Chegou a mudar vôos em cima da hora, andar de ônibus para fugir de espiões e, nas interceptações telefônicas feitas por ele, pôde identificar conversas que se referiam à sua pessoa, a locais em que estaria. Quando se dirigiu a um restaurante, na noite de terça-feira, em Goiânia, percebeu que estava sendo filmado por um casal. Deu o troco e filmou os dois. O homem e a mulher, então, foram embora. Isso, para ele, confirma tudo o que enfrentou durante as investigações da Operação Satiagraha, que comandou de 2004 a julho deste ano.Na entrevista, Protógenes ressaltou que não atuou de maneira ilícita durante a Satiagraha e disse que vê com naturalidade a tentativa da defesa de buscar anular a operação por causa da denúncia de suposto uso de um ex-agente do Serviço Nacional de Informações (SNI) de forma ilegal na ação. "Hoje, o que a sociedade brasileira acompanha é que os investigadores estão sendo investigados", afirmou, na entrevista ao Estado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.