Protocolar, Serra não empolga em jantar

Governador chegou atrasado, citou Alckmin 2 vezes, não colou adesivo da campanha como FHC e saiu mais cedo

O Estadao de S.Paulo

12 de setembro de 2008 | 00h00

O jantar organizado pelo Diretório Municipal do PSDB para celebrar os 20 anos da sigla e arrecadar fundos para a campanha do candidato tucano à Prefeitura de São Paulo, Geraldo Alckmin, não atingiu um de seus principais objetivos: marcar a entrada definitiva do governador José Serra (PSDB) na campanha. Serra foi ao evento, anteontem à noite, mas manteve posição protocolar. Falou de unidade, do PSDB, e só fez duas menções a Alckmin em seu discurso de 22 minutos. Ao contrário do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, não colou o adesivo de campanha na lapela.O atraso de Serra gerou apreensão entre os que chegaram antes das 22 horas ao Jockey Club, no centro. Ele chegou tarde e saiu cedo. O governador sentou-se à direita de Alckmin à mesa e trocou com ele poucas palavras.De bom humor, Serra relembrou toda a história de seu partido e não poupou elogios a FHC, a quem chamou de "irmão mais velho". Sobre Alckmin, destacou sua atuação como governador. "No meu governo não tenho os mesmos índices de aprovação que o Geraldo chegou a ter."A ala dissidente do PSDB que apóia a reeleição de Gilberto Kassab (DEM) reagiu às ameaças de expulsão do partido. Proibidos de ir ao jantar no Jockey, os tucanos-kassabistas fizeram plenária na mesma hora, na Vila Mariana. "O objetivo foi afinar o discurso, avaliar o quadro político e pedir que o grupo não reaja às provocações feitas por militantes e quadros do partido", disse o secretário municipal de Esportes, Walter Feldman(PSDB). CAROLINA FREITAS, JULIA DUAILIBI, PEDRO VENCESLAU E ANA PAULA SCINOCCA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.