Protestos deste domingo prometem pressionar Congresso

Atos anti-Dilma foram convocados por grupos como Vem Pra Rua e Movimento Brasil Livre em mais de 100 cidades

Valmar Hupsel Filho, O Estado de S. Paulo

13 de dezembro de 2015 | 02h00

(Atualizada às 15h30 para correção de informação)

Os movimentos que organizaram os três grandes protestos de rua para pedir o impeachment da presidente Dilma Rousseff marcaram para hoje novos atos, desta vez com o objetivo de emparedar o Congresso. Se em abril, maio e agosto as manifestações eram a forma de pressão para que o pedido de impedimento fosse aceito, a partir do acolhimento, no dia 2, as ruas passaram a ser consideradas tanto pelo governo quanto pela oposição como o termômetro para a tramitação do processo no Parlamento.

O desafio extra para os organizadores é realizar, em um prazo de menos de duas semanas, um protesto que seja mais representativo que o ato de apoio a Dilma organizado como um contraponto aos movimentos sociais alinhados ao PT, como a CUT, MTST e UNE, que esperam levar 50 mil pessoas às ruas de São Paulo e Brasília na quarta-feira.

Saiba onde estão previstos os atos deste domingo:

Pegos de surpresa com a decisão do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) após protelar por diversas vezes o acolhimento do pedido de impedimento da presidente, os organizadores dos atos pró-impeachment dizem que, em função do pouco tempo para mobilização, não têm a pretensão de achar que o ato de hoje será algo do porte que levou milhares de pessoas às ruas em 15 de março, 12 de abril e 16 de agosto. Por isso, a manifestação de hoje é considerada um “esquenta” para um grande protesto que deve ser realizado em 2016, ainda sem data marcada. 

Ainda assim, o feedback nestas duas semanas empolgou o empresário Rogério Chequer, porta-voz do Vem Pra Rua. “Vai ser um pouco acima de um esquenta”, disse ele. O empresário argumenta que, inicialmente, o plano era envolver apenas as capitais, mas houve demanda espontânea de outras cidades. 

Para Renan Santos, um dos líderes do Movimento Brasil Livre, a interação nas redes é maior que nos atos anteriores. “Conversamos com as pessoas nas ruas e tem muita gente sabendo. Vamos ver como será.” Até sexta-feira à tarde, o Vem Pra Rua tinha confirmado atos em 85 municípios e o MBL, em 67. Em alguns deles, os grupos dividirão espaço entre si e com outros movimentos de menor expressão. 

Em São Paulo, cinco carros de som se concentrarão próximos ao Masp, na Avenida Paulista. O MBL vai levar balões gigantes com os rostos de Dilma, do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), do ministro do Supremo Tribunal Federal Luiz Edson Fachin e dos deputados Celso Russomanno (PRB-SP) e Rogério Rosso (PSD-DF). “Estamos de olho em 2016”, disse Renan Santos. / COLABOROU CONSTANÇA REZENDE

CORREÇÃO: Diferentemente do que foi divulgado inicialmente pelo portal Estadao.com.br,  o diretório do PSDB no Rio não convidou o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB), para participar da manifestação em Copacabana pelo impeachment da presidente Dilma Rousseff. O convidado foi o senador Cassio Cunha Lima (PSDB-PB). 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.