Protesto virtual contra senador no Twitter

Depois de um perfil falso, o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), ganhou outra página no Twitter (rede social de microblogging na internet que permite aos usuários enviar textos de até 140 caracteres, conhecidos como tweets). Desta vez, a página traz o nome do movimento "Fora, Sarney", que já conta com mais de 1.000 seguidores. A assessoria de Sarney disse que não vai tomar nenhuma medida contra a página e que o presidente da Casa "lamenta, mas respeita" a manifestação. "Não tem crime nenhum nisso", disse a assessoria. Além da página, há também um site na internet (www.forasarney.com.br) que recolhe assinaturas pelo movimento desde o dia 21, e já soma quase quatro mil nomes.Na quinta-feira, cresceram os apelos de senadores para que Sarney deixasse o cargo, diante das denúncias de atos secretos no Senado e favorecimento de parentes, revelados pelo Estado. Denúncia publicada em reportagem na quinta revelou que um neto de Sarney - José Adriano Cordeiro Sarney - é um dos operadores do esquema de crédito consignado para funcionários da Casa.No Senado, os parlamentares negam haver um movimento articulado pela saída de Sarney, mas avaliam a situação de escândalos como "grave". "O que está claro é que a situação do presidente está cada vez mais frágil", disse o senador Renato Casagrande (PSB-ES) à reportagem, na quinta-feira.Na semana passada, um perfil falso do presidente do Senado foi criado no Twitter, mas logo saiu do ar. Procurado pela reportagem, o gabinete de Sarney afirmou que só no dia 19 ficou sabendo do perfil. "O negócio começou a crescer e devem ter ficado com medo de que se descobrisse a autoria", informou. Antes, o gabinete havia informado que procurara a Polícia Legislativa do Senado para identificar o usuário que criou o perfil, a fim de entrar com as "medidas judiciais cabíveis".Ainda segundo sua equipe de comunicação, Sarney não tem planos de se tornar adepto do Twitter, como fizeram o governador de São Paulo e pré-candidato à Presidência em 2010, José Serra (PSDB), e outros políticos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.