Protesto pela demarcação da Raposa fecha rodovia em Roraima

Nesta quarta, STF vai julgar a legalidade da demarcação, questionada por produtores de arroz e agricultores

Agência Brasil

26 de agosto de 2008 | 15h35

 Um grupo de cerca de 500 manifestantes fechou nesta terça-feira, 26,  a BR-174, que liga Boa Vista a Pacaraima, por quase três horas para pedir a manutenção demarcação contínua da Terra Indígena Raposa Serra do Sol. Nesta quarta-feira, o Supremo Tribunal Federal(STF) vai julgar a legalidade da demarcação, questionada por produtores de arroz e agricultores que vivem na área. Veja Também:Especial da Raposa Serra do Sol PF ajudará a cumprir decisão do STF sobre Raposa, diz TarsoLíder indígena teme conflito com arrozeiros após STFÍndios não deixam Raposa mesmo com decisão contrária do STF Sob sol forte, o protesto reuniu indígenas, agricultores, representantes dos Movimentos dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST). Além de defender a demarcação da terra indígena, o grupo aproveitou o bloqueio para pedir a posse de uma fazenda na beira da rodovia, ocupada há oito dias por cerca de 200 famílias. "Os trabalhadores sem terra e os sem teto passam pela mesma situação que a gente, assim como eles sentem na pele o sofrimento de não ter sua casa, não ter sua terra, nós também estamos sofrendo para ficar na nossa terra", comparou a coordenadora do Conselho Indígena de Roraima (CIR), Marizete de Souza, da etnia Macuxi. Em cima de um carro de som, uma indígena entoava o canto do paricuari, pássaro da região, e dividia o microfone com o franciscano Frei Messias, organizador da manifestação. "O tema central é o direito à terra, por isso juntamos vários movimentos sociais aqui", apontou a macuxi. De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), a manifestação foi pacífica e apenas uma pessoa foi detida após furar o bloqueio e invadir a pista onde estavam os manifestantes. De acordo com Marizete, amanhã um grupo de indígenas se reunirá no centro de Boa Vista para acompanhar o julgamento do STF. "Estamos todos confiantes na decisão do Supremo, que eles [ministros] respeitem os nossos direitos, que estão amparados na Constituição Federal". A líder indígena negou que os índios favoráveis a manutenção da demarcação contínua estejam preparando alguma resistência violenta caso o STF decida pelo contrário, mas não descartou a possibilidade de conflito com os produtores de arroz. "Para nós, o clima está pacifico, mas ninguém sabe o que eles (agricultores) estão programando, o que eles estão preparando".

Tudo o que sabemos sobre:
Raposa Serra do SolSTF

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.