Protesto do MST libera pedágio em rodovia do Paraná

O grupo de 200 integrantes do Movimentos dos Sem-Terra (MST), que iniciou na quinta-feira uma marcha de Ponta Grossa a Curitiba liberou hoje por cerca de quatro horas as 14 cancelas da praça de pedágio de São Luiz do Purunã, na BR-376. Todos os motoristas que passaram pelo local entre 10h e 14h não precisaram pagar a tarifa. Policiais militares e rodoviários acompanharam a manifestação, mas não interferiram. Como não houve interrupção do trânsito, os motoristas que passaram pela praça deram apoio à manifestação. Os sem-terra pretendem dar respaldo ao governador do Paraná, Roberto Requião (PMDB), que desde a campanha tem afirmado que a taxa do pedágio terá de baixar no Estado ou então será eliminada. "Nossa luta é para que o povo brasileiro tenha os direitos que já lhe são assegurados", disse um dos coordenadores do movimento, Márcio Araújo.Os sem-terra estão realizando a marcha com a intenção de lembrar o confronto ocorrido em Eldorado dos Carajás (PA) há sete anos, que resultou na morte de 19 trabalhadores. Eles também aproveitam para lembrar a morte do assentado Antônio Tavares Pereira, ocorrida em maio de 2000 na entrada de Curitiba. Eles pretendem fazer uma celebração naquele local na manhã de segunda-feira. Amanhã, os sem-terra prevêem chegar a Campo Largo. Eles ficarão em Curitiba até quinta-feira, participando de debates e reuniões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.