Alberto Wu/Futura Press
Alberto Wu/Futura Press

Protesto contra o governo federal reúne 150 em BH

Manifestantes carregavam cartazes dizendo que 'a eleição foi golpe'

MARCELO PORTELA, Estadão Conteúdo

15 de novembro de 2014 | 18h01


Cerca de 150 pessoas, segundo a Polícia Militar, participaram neste sábado, 15, de protesto contra o governo federal em Belo Horizonte. Com pedidos de impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT) e referências à Operação Lava Jato, da Polícia Federal, que investiga desvio de recursos da Petrobras, a manifestação na capital mineira fez parte de ato organizado em diversas cidades brasileiras.

Um dos organizadores do protesto em Belo Horizonte, o empresário Edson de Souza Pereira afirmou que o ato foi apartidário. "Não tem ligação com partidos. É contra o que está acontecendo, para acabar com a roubalheira", disse. No entanto, vários participantes presentes atuaram nas campanhas eleitorais do senador Aécio Neves (PSDB-MG) à Presidência e do ex-ministro e também tucano Pimenta da Veiga, derrotado em primeiro turno na disputa pelo governo mineiro.

No ato, organizado por meio de redes sociais, manifestantes carregavam cartazes dizendo que "a eleição foi golpe". "A eleição foi fraudada", afirmou Pereira. Já o engenheiro Décio Chami defendia mudança no sistema eleitoral. "Não adianta falar de passado. Temos que pensar no futuro. Deve ser feita uma impressão dos votos, que fica guardada para servir de contraprova em caso de suspeita. É transparência", defendeu.

Alguns manifestantes também carregavam faixas e cartazes contra o chamado "petrolão", uma referência às irregularidades na Petrobras. Nesta sexta-feira,14, 20 executivos ligados a empreiteiras e o ex-diretor da estatal Renato Duque foram presos na sétima fase da Operação Lava Jato. Em Belo Horizonte, o grupo se concentrou na Praça da Liberdade e, escoltado pela Polícia Militar, percorreu da avenida Cristóvão Colombo até a Praça Diogo de Vasconcelos, na Savassi, região centro-sul da capital.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.