Protesto contra o governo começa a reunir manifestantes em Porto Alegre

, 15/3/2015 - Cerca de 200 pessoas se reúnem neste momento no parque Moinhos de Vento, na capital gaúcha, para preparar a estrutura para a manifestação contra o governo da presidente Dilma Rousseff prevista para acontecer no local. O protesto, organizado pelo Movimento Brasil Livre (MBL) no Rio Grande do Sul, está marcado para começar às 14h.

GABRIELA LARA, CORRESPONDENTE, Estadão Conteúdo

15 de março de 2015 | 13h21

Um dos organizadores do movimento, Fábio Ostermann, disse que o objetivo é defender o impeachment e outras causas e demandas adjacentes, como a apuração rigorosa dos casos de corrupção no País e o respeito às instituições. "Não estamos ligados a partidos políticos e incentivamos os participantes que venham sem bandeiras", relatou. Ele e outros organizadores pintam faixas e ajustam o carro de som que acompanhará os participantes.

Ostermann espera que entre 20 mil e 60 mil pessoas compareçam à manifestação. Os participantes se concentrarão às 14h no Parcão, como é conhecido o parque Moinhos de Vento, e às 16h farão uma caminhada de cerca de 3 quilômetros até o parque da Redenção.

Ontem, o Movimento Brasil Livre RS publicou uma cartilha em sua página no Facebook com recomendações para o dia de hoje. O texto incentiva as pessoas a levem a família às ruas, explica que a manifestação é pacífica e que não serão aceitos atos de depredação e vandalismo.

Desde a metade da manhã, um grupo de pessoas faz um ato irônico no parque da Redenção contra os protestos que pedem o impeachment da presidente. Chamado de "coxinhaço", o evento prepara coxinhas em churrasqueiras portáteis e vende ao público que passa pelo local. Os participantes exaltam a democracia e gritam palavras de apoio a Dilma e ao PT. O evento, que reúne algumas centenas de pessoas, termina às 14h e, portanto, não deve coincidir com o organizado pelo MBL.

Tudo o que sabemos sobre:
Porto AlegreprotestosDilma Rousseff

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.