Protesto contra eleição vira vandalismo em Vargem Grande

Um grupo de cerca de 2 mil pessoas, em protesto pela impugnação da candidatura de Marco Antonio da Silva, o Marcão, do PTB, promoveu atos de vandalismo na cidade de Vargem Grande Paulista, na Grande São Paulo, na noite de quarta-feira. Lojas foram saqueadas, a Rodovia Raposo Tavares foi interditada e quatro pessoas detidas.O suposto motivo do protesto, que se transformou em vandalismo pela infiltração de criminosos no grupo, foi a impugnação da candidatura Marcão, que teve os 5.907 votos anulados após o pleito. Nas eleições em Vargem Grande, Roque Moraes foi reeleito com 6.907 votos contra os 6.398 votos dados a Roberto Rocha, do PSB.Alguns manifestantes, partidários de Marco Antonio da Silva, argumentaram que se soubessem que a candidatura de Marcão estava sob judice, teriam votado em outro candidato e poderiam assim ter evitado a reeleição do atual prefeito.ConfusãoA Rodovia Raposo Tavares foi interditada pelos manifestantes por volta das 20h30 na altura do km 45. A Tropa de Choque da Polícia Militar foi acionada e teve de intervir para retirar as pessoas e liberar o tráfego de veículos.A confusão se estendeu para o Centro da cidade, onde a loja Rivan Calçados, pertencente ao vereador Vanderley Domingues da Silva, da coligação PTN-PSL, foi saqueada.Os vândalos também atacaram uma concessionária de veículos de propriedade do filho do prefeito reeleito, Roque Moraes, do PSDB. Alguns carros foram danificados.Policiais militares de Vargem Grande detiveram quatro jovens, três deles menores, e os levaram até a Delegacia Central de Cotia, cidade vizinha. Com o grupo, os policiais recuperaram parte do que foi saqueado na loja. O prejuízo calculado pelo vereador é de R$ 500 mil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.