Helvio Romero/Estadão
Helvio Romero/Estadão

PROS e Solidariedade podem receber aliados de Cid Gomes do PSB cearense

Reunião nesta quinta-feira definirá quantos parlamentares sairão do partido; expectativa é de que quatro deputados federais e cinco estaduais sigam para o PROS

Ricardo Brito, Agência Estado

26 de setembro de 2013 | 18h02

Com a decisão do PSB, do governador de Pernambuco, Eduardo Campos, de deixar o primeiro escalão da presidente Dilma Roussef,parlamentares cearenses ligados ao governador Cid Gomes sairão do partido. A bancada federal do PSB no Ceará, além de metade da bancada estadual deve migrar para o recém-criado PROS. Ao todo, quatro deputados federais e cinco estaduais podem assinar ficha de filiação na nova sigla já na próxima semana.

A bancada estadual possui atualmente 10 parlamentares, mas somente um não sai do PSB. É a deputada Eliane Novais, que defende a candidatura do presidente nacional do PSB, Eduardo Campos, para sucessão de Dilma Rousseff. Cinco devem desembarcar no PROS: o presidente da Assembleia Legislativa, José Albuquerque; Mauro Benevides Filho, Sérgio Aguiar, Antônio Granja e José Sarto. Ivo Gomes, irmão de Cid e Ciro Gomes deve ir para o PT. Já Miriam Sobreira, Sineval Roque e Wellington Landim se encaminham para o Solidariedade, de Paulinho da Força.

A ideia inicial era que todos partissem para o PSD, mas a possibilidade de perda dos mandatos fez com que eles reconsiderassem essa possibilidade. O aviso foi dado pelo ex-presidente estadual do PSB, Sérgio Novais. Mesmo com a promessa de Campos de que não pediria os mandatos do grupo na Justiça Eleitoral, há a ameaça do Ministério público questionar os mandatos por infidelidade partidária. Indo para um novo partido isso não se configura.

O anuncio oficial do destino dos cidistas deve acontecer na noite desta quinta-feira,26, numa reunião no Hotel vila Galé, na Praia do Futuro, em Fortaleza. Na oportunidade, Cid Gomes vai comentar se foi convidado para assumir um ministério de primeira linha do atual governo Dilma, como disse nesta quinta em Brasília, o líder do PT na Câmara, deputado federal José Nobre Guimarães (PT).

A ida dos irmãos Cid e Ciro Gomes para o PT foi criticada pelos vereadores petistas de Fortaleza, Ronivaldo Maia e Guilherme Sampaio. Sampaio disse que o "PT não é partido de aluguel para aceitar os Ferreira Gomes [família dos irmãos]". Já Maia afirmou que "nosso partido luta pelos trabalhadores, é um partido socialista e jamais se prestaria ao papel de reforçar oligarquias regionais, como é a dos Ferreira Gomes no Ceará".

Mais conteúdo sobre:
PSBCid GomesPROSSolidariedade

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.