Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

Proposta de semipresidencialismo prevê 'ministro-coordenador' enquanto durar regime atual

Nos bastidores, correligionários de Temer dizem que Rodrigo Maia teria perfil ideal para o cargo

Vera Rosa, O Estado de S. Paulo

19 de dezembro de 2017 | 20h12

A proposta de semipresidencialismo que circula no Congresso traz uma cláusula de transição para o novo regime, que prevê a figura de um primeiro-ministro como chefe de governo. Um dos artigos diz que, mesmo enquanto vigorar o sistema presidencialista, fica criado o cargo de “ministro-coordenador”, a ser exercido, preferencialmente, por um integrante do Congresso.

“O ministro-coordenador participará do Conselho da República, onde ocupará a vaga reservada ao primeiro-ministro”, destaca o texto da proposta, ressalvando que os mandatos e as prerrogativas do presidente da República e do vice são respeitados.

No Palácio do Planalto, quem defende a candidatura do presidente Michel Temer à reeleição avalia que o mote do semipresidencialismo pode embalar eventual campanha do peemedebista por um segundo mandato, em 2018, ou mesmo impulsionar a candidatura de centro-direita de outro nome da base aliada, como o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, filiado ao PSD.

Em conversas reservadas, auxiliares de Temer e integrantes do Centrão dizem que, se a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) sobre o semipresidencialismo for aprovada no ano que vem, o projeto eleitoral do PMDB pode passar por um acordo para, em caso de vitória, contemplar o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), com o cargo de ministro-coordenador.   

A PEC diz que cabe ao ocupante desse posto “a articulação político-administrativa do governo, competindo-lhe coordenar os ministérios, sob a orientação do presidente da República, e presidir reuniões ministeriais, na sua ausência”. O ministro-coordenador também deve comparecer à sessão conjunta do Congresso “para apresentar relatório sobre as atividades de execução do governo ou expor assunto de significação nacional, na última quinta-feira de cada mês, importando crime de responsabilidade sua ausência injustificada”.

Até agora, no entanto, a PEC que muda o sistema de governo enfrenta resistências no Congresso e sua aprovação em 2018, ano eleitoral, é considerada muito difícil. Para receber sinal verde, a proposta precisa do apoio de 308 deputados e 49 senadores, em duas votações. O texto protocolado no Senado diz que o regime instituído pela emenda constitucional será aplicado “a partir do primeiro dia do mandato presidencial subsequente”.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.