Proposta de reforma não é mudança de opinião, diz Berzoini

O modelo de reforma da Previdência proposto pelo governo Luiz Inácio Lula da Silva não é uma revisão de opinião, e sim um aprofundamento de diagnóstico previsto durante a campanha, disse hoje o ministro da Previdência, Ricardo Berzoini. Ele fez o comentário ao rebater as críticas de adversários do governo que classificam a reforma como uma mudança nas promessas feitas por Lula durante a campanha presidencial. "O diagnóstico que fizemos naquela ocasião é igual ao de hoje. Estamos posicionados da mesma forma", disse Berzoini. Ele também fez uma crítica velada aos integrantes do PT que têm discordado publicamente de itens da reforma, como a taxação de inativos. "Não falo daqueles que divergem. Isso é legítimo. Falo daqueles que atacam sistematicamente, muitas vezes incitando posições contrárias à decisão majoritária do partido", disse, acrescentando que considera a fidelidade partidária um elemento fundamental para a democracia do País. Berzoini fez palestra hoje para empresários na Associação Comercial do Rio de Janeiro (ACRJ). No evento, ele mostrou à platéia as vantagens da aprovação da reforma para o orçamento da União. Segundo ele, o governo federal gasta R$ 23 bilhões por ano para atender cerca de 950 mil pensionistas, enquanto os orçamentos de Saúde e Educação, para a população inteira do País (de 176 milhões de habitantes) é de R$ 27 bilhões e R$ 18 bilhões, respectivamente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.