Proposta de reforma é a melhor para o País, diz Berzoini

O ministro da Previdência, Ricardo Berzoini, disse que o governo está convicto de que a proposta de reforma da Previdência encaminhada ao Congresso é a melhor para o País. Ele acrescentou que, embora o governo esteja convicto da legalidade, "fatalmente" a proposta será questionada no STF, assim como toda mudança de peso. "Não conheço nenhuma mudança de relevância que não seja objetivo de questionamento", disse, ao sair do encontro com o presidente do Supremo Tribunal Federal, Maurício Correa. Ao ser questionado sobre a possibilidade de o governo modificar a proposta para atender as reivindicações do Judiciário, Berzoini afirmou: "O governo tem convicção da justeza da proposta". Ele disse que o objetivo do encontro que teve com o ministro Maurício Correa foi manifestar a disposição plena do governo Luiz Inácio Lula da Silva e do Ministério em dialogar sobre questões da Previdência.TetoO presidente do Supremo Tribunal Federal defendeu o respeito ao teto de remuneração no serviço público tanto no governo federal quanto nos estaduais e municipais. "Só o teto implica uma economia muito grande", afirmou. Maurício Correa confirmou a realização na próxima terça-feira, a partir das 10 horas, em uma sala de sessões do Supremo, da reunião com os presidentes dos tribunais superiores e associações de juízes para discutir a reforma da Previdência. A reunião, segundo ele, começará com discurso seu e dos presidentes dos tribunais e do presidente do colégio de presidentes de tribunais de justiça. Posteriormente, serão formados grupos de acordo com a área da Justiça para que sejam discutidas as propostas de cada um e somente depois será definida uma proposta de reforma. Sobre uma possibilidade de os juízes entrarem em greve, Maurício Correa afirmou: "Juiz não pode fazer greve, a Constituição proíbe".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.