Proposta de estabilidade para servidor vai para "Sibéria"

O presidente da Câmara, João Paulo Cunha (PT-SP), afirmou que "o congelador, a Sibéria" será o destino da proposta de emenda constitucional que torna estáveis todos os servidores contratados sem concurso de 6 de outubro de 1983 a 5 de outubro de 1988. A emenda constitucional foi aprovada em 31 de março pela comissão especial da Câmara que a examinou e está pronta para ser votada no plenário da Casa. "Essa matéria não será pautada", afirmou.A aprovação da proposta surpreendeu o governo. "É inaceitável. Isso não é um trem da alegria; é um trem da vergonha", reagiu o líder do governo na Câmara, Professor Luizinho (PT-SP).A proposta foi discutida hoje na reunião do ministro da Coordenação Política, Aldo Rebelo (PC do B-SP), com os líderes aliados no Palácio do Planalto. Os líderes avaliaram ser impossível dar andamento a uma proposta como essa e discutiram que fim poderia ser dado à emenda, já que ela não pode ser mais arquivada. Uma das saídas seria derrotar a proposta no plenário, mas João Paulo afirmou que não vai incluí-la na pauta de votações.A Constituição deu estabilidade aos não concursados contratados até 5 de outubro de 1983. Caso a emenda seja aprovada pelos plenários da Câmara e do Senado, em dois turnos, haverá impacto nos cofres da União, dos Estados e dos municípios.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.