Igor Gadelha|Estadão
Igor Gadelha|Estadão

Proposta de emenda negociada em reunião com Maia prevê anistia a caixa 2; veja

A emenda, ainda não numerada, deve ser apresentada por várias bancadas durante a votação do pacote anticorrupção no plenário

Igor Gadelha, Daiene Cardoso e Isadora Peron, O Estado de S.Paulo

24 de novembro de 2016 | 01h40

Brasília – Proposta de emenda ao pacote de medidas de combate à corrupção que anistia o caixa 2 que já circulava na noite desta quarta-feira, 24, prevê explicitamente que políticos e partidos não poderão ser punidos nas “esferas penal, civil e eleitoral” caso tenham praticado o crime “até a data da publicação” da lei. O parecer do deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS), aprovado por unanimidade na comissão especial, prevê a tipificação da prática, mas não deixa explícita a anistia retroativa. 

O texto da emenda foi articulado em reuniões com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e deputados aliados. “Não será punível nas esferas penal, civil e eleitoral doação contabilizada, não contabilizada ou não declarada, omitida ou ocultada de bens, valores ou serviços, para financiamento de atividade político-partidária ou eleitoral realizada até a data da publicação desta Lei”, diz o texto da emenda ao qual o Broadcast Político teve acesso.

A emenda, ainda não numerada, deve ser apresentada por várias bancadas durante a votação do pacote no plenário. Alguns partidos, como o PT, PPS, Rede e PSOL, porém, se recusaram a assiná-la. Sem consenso sobre o tema, o PT deve liberar seus deputados a votarem como quiserem. O texto da emenda foi negociado durante reuniões ao longo do dia entre o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e deputados aliados. Maia não se manifestou sobre o texto. 

Já a emenda que propõe crime de responsabilidade para magistrados e integrantes do Ministério Público será apresentada pela bancada do PDT. A tendência é de que ela seja aprovada, uma vez que vários partidos, até mesmo PSOL e Rede, apoiam a medida.

'Quartel-general'. A sala da Presidência da Câmara virou o quartel-general dos líderes da Casa que tentavam articular a aprovação de uma emenda para anistiar a prática do caixa 2. Desde o início da noite, Maia recebeu parlamentares de praticamente todos os partidos para conversar. O entra e sai de deputados foi constante.

A ideia inicial era que a emenda para livrar os políticos que usaram recursos não declarados em campanhas eleitorais fosse assinada pelos líderes de todos os partidos, exceto da Rede e do PSOL. O PT, no entanto, rachou e não quer assinar o texto. Diante da dissidência, um deputado do PR poderia assumir sozinho a autoria da proposta.

Relatos de deputados que frequentaram o QG dão conta de que foram muitas as críticas ao relator do pacote das medidas contra a corrupção, Onyx Lorenzoni (DEM-RS).

O principal ponto de discórdia era que o relator teria apresentado um texto diferente do que o que foi acordado com os líderes. Segundo deputados, Lorenzoni disse uma coisa "a portas fechadas" e, diante das câmeras, para sair como "paladino da moral", mudou de posição.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.