Proposta de Dirceu para novo partido foi rejeitada, diz Jefferson

A intenção do governo de criar um novo partido para receber os deputados dissidentes da oposição e deputados integrantes da base que procuram uma nova legenda foi afastada na reunião de hoje do ministro-chefe da Casa Civil, José Dirceu, com os líderes dos partidos aliados na residência do presidente da Câmara, João Paulo Cunha (PT-SP). Na reunião, Dirceu consultou os líderes para saber se eles concordavam com o envio de um projeto de lei ao Congresso alterando a legislação partidária para permitir que os parlamentares que saíssem dos partidos para a nova legenda levassem com eles o tempo de televisão e os recursos do fundo partidário. A idéia foi rejeitada. O líder do PTB, Roberto Jefferson (RJ), um dos primeiros a condenar a proposta, considerou um "casuísmo" fazer uma legislação para criar um novo partido de apoio ao governo, comparando essa possibilidade à proposta que permitiu a reeleição do presidente Fernando Henrique Cardoso. Diante da manifestação contrária dos líderes, o ministro afirmou, segundo relato de Jefferson, que comunicaria aos parlamentares que o estão consultando que não haverá mais projeto de lei e que esse assunto está encerrado.O presidente do PPS e líder do partido na Câmara, deputado Roberto Freire (PE), qualificou como positiva a disposição do governo de considerar "assunto encerrado" a intenção de criar um novo partido para receber os deputados dissidentes da oposição e deputados descontentes de partidos da base que procuram uma nova legenda. Freire classificou a hipótese de "retrocesso" e de "indignidade democrática". "Custa crer que um governo democrático admita patrocinar um casuísmo da pior espécie como esse. Isso é um desrespeito aos partidos e, no fundo, à democracia", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.