Propaganda de Aécio é queimada em comitê do PPS

Atualizado no dia 29, às 18h

FÁBIO BRANDT, Estadão Conteúdo

23 de setembro de 2014 | 21h01

Cartazes com a foto do candidato do PSDB à Presidência da República, Aécio Neves, foram queimadas nos fundos dos comitês de campanha da deputada Eliana Pedrosa e de Leo Borges, ambos do PPS, no Distrito Federal. A reportagem teve acesso a um vídeo que registrou a ação de quatro homens que tiram o material tucano de dentro de uma Kombi e montam a fogueira.

PSDB e PPS estiveram juntos nas eleições presidenciais de 2006 e de 2010, quando os candidatos tucanos foram, respectivamente, Geraldo Alckmin e José Serra. Neste ano, os partidos romperam a aliança e o PPS apoia Marina Silva (PSB).

Na capital federal, no entanto, as duas legendas continuam juntas, a contragosto de Eliana Pedrosa. Ela desejava ser candidata a vice-governadora na chapa de José Roberto Arruda (PR), mas foi desautorizada pela direção nacional do partido. O presidente do PPS, Roberto Freire, impôs ao diretório de Brasília o apoio ao candidato Luiz Pitiman (PSDB). O vídeo mostra a queima de cartazes estampados com a foto de Aécio ao lado de Pitiman.

A reportagem esteve no local onde o vídeo foi gravado. Os comitês de Eliana Pedrosa e Leo Borges ficam em terrenos contíguos, separados por um muro baixo em um bairro de Brasília ocupado majoritariamente por empresas e prédios em construção.

A fogueira foi feita na parte do terreno pertencente ao comitê de Borges, que tenta uma vaga de deputado distrital. O Distrito Federal possui uma Câmara Distrital, com deputados distritais, e não uma Assembleia legislativa com deputados estaduais como as demais unidades da federação.

O vídeo foi registrado por uma pessoa que acompanhava a cena a partir do terreno em que está o comitê de Eliana Pedrosa, que é distrital e tenta ser deputada federal. Eliana Pedrosa nega ter ordenado a queima do material. Diz também que Leo Borges não tem a ver com o fato. A reportagem não conseguiu contato com Borges.

"Uma coisa é você não ter o Pitiman como candidato eleito pelo coração. Outra coisa é fazer campanha contra ele", disse a deputada, sem dizer quem seria o responsável pela fogueira. "O partido me deu autorização por escrito para ser vice na chapa do PR. E me tirou verbalmente a autorização. Se tivesse que ficar chateada seria com meu partido, não com o Pitiman. E o Aécio... Eu sou mineira, eu acredito no Aécio", afirmou.

O presidente do PPS no Distrito Federal, Chico Andrade, disse que o partido já discute, desde a última sexta-feira, quando soube da fogueira, reduzir o tempo de propaganda de Eliana Pedrosa na TV. "Ficamos indignados, é um o desrespeito com a coligação. Vamos esperar que tenha algum tipo de explicação", disse ele. O presidente nacional do PPS, Roberto Freire, afirmou não saber da fogueira, mas que, se ela tiver existido, seria uma "agressão gratuita".

OUTRO LADO:

O candidato do PPS a deputado distrital Leo Borges afirma que não sabia da fogueira feita com material de campanha de Aécio Neves e Luiz Pitiman, candidatos do PSDB a presidente da República e a governador do Distrito Federal, nos fundos do imóvel onde funciona seu comitê de campanha. Na terça-feira da semana passada, o Estado publicou um vídeo que mostra homens fazendo a fogueira nos fundos dos imóveis vizinhos, separados por um muro baixo, onde funcionam os comitês de Borges e de Eliana Pedrosa, candidata do PPS a deputada federal. Por telefone, Pedrosa afirmou que ela e Borges não tinham relação com a queima do material. Borges não respondeu aos contatos da reportagem. 

Na sexta-feira, 26, Leo Borges entrou em contato com a reportagem. Disse que seu comitê ocupa apenas uma sala alugada dentro do imóvel, apesar de a fachada estar identificada com seu nome e fotografia numa placa grande. O terreno e a casa onde funciona o comitê pertencem, de acordo com o candidato, ao irmão de Eliana Pedrosa, que lhe alugou a sala. O candidato disse ainda que desconhece o que acontece no terreno do imóvel e que apoia a candidatura de Aécio Neves.
O PPS do Distrito Federal afirmou que já discute punir Eliana Pedrosa pelo ocorrido. O partido quer reduzir o tempo de propaganda na TV da candidata. O presidente do PPS do Distrito Federal, Chico Andrade, nada falou sobre punir Leo Borges.

PSDB e PPS estiveram juntos nas eleições presidenciais de 2006 e de 2010, quando os candidatos tucanos foram, respectivamente, Geraldo Alckmin e José Serra. Neste ano, os partidos romperam a aliança e o PPS apoia Marina Silva (PSB). Na capital federal, no entanto, as duas legendas continuam juntas, a contragosto de Eliana Pedrosa. Ela desejava ser candidata a vice-governadora na chapa de José Roberto Arruda (PR), mas foi desautorizada pela direção nacional do partido.

O presidente do PPS, Roberto Freire, impôs ao diretório de Brasília o apoio ao candidato Luiz Pitiman (PSDB). O vídeo publicado pelo Estado mostra a queima de cartazes estampados com a foto de Aécio ao lado de Pitiman.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.