Propaganda de ACM leva TSE a punir o PFL

Os ministros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) impuseram nova derrota ao ex-senador Antonio Carlos Magalhães (PFL). Eles decidiram suspender totalmente o programa político do próximo semestre do PFL e, parcialmente, o do PTB em cadeia regional de rádio e televisão na Bahia, por entenderem que os partidos utilizaram suas mensagens para promover ACM e para atacar a honra de filiados do PMDB. Relator da ação no TSE, o ministro Garcia Vieira concluiu que, em diversos trechos do programa apresentado em maio, ficou clara a intenção de promover, especialmente, ACM. Em um dos trechos do programa destacado pelo ministro, o locutor afirmava: "Estamos colhendo os frutos de um trabalho sério, competente, iniciado há dez anos por Antonio Carlos Magalhães e que tem sua continuidade assegurada pelo governador César Borges." Garcia Vieira observou em seu voto que outra parte do programa desviou-se das finalidades impostas para a propaganda partidária, ao atacar o deputado federal Geddel Vieira Lima (PMDB-BA). "A família do líder do PMDB na Câmara Federal, o deputado Geddel Vieira Lima, vem acumulando uma verdadeira fortuna desde que o pai do parlamentar, o ex-deputado Afrísio Vieira Lima, assumiu o comando da Companhia Docas da Bahia (Codeba), em 1995", afirmou o locutor.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.