Promotor quer anulação do julgamento do caso PC Farias

Marcos Mousinho disse júri interpretou que seguranças não cometeram crime, mas também 'não fizeram nada para impedi-lo'

Carlos Nealdo, especial para O Estado de S. Paulo

14 de maio de 2013 | 19h04

MACEIÓ  - O promotor de Justiça Marcos Mousinho vai pedir a anulação do julgamento que absolveu os quatro seguranças de envolvimento na morte de Paulo César Farias e da namorada dele, Suzana Marcolino, encerrado na última sexta-feira, 10, no Fórum Desembargador Jairon Maia Fernandes, na capital alagoana. Apesar de absolver os seguranças de PC, o júri considerou que os dois, Suzana e Paulo Cesar Farias , foram assassinados.

Segundo Marcos Mousinho, o próprio júri considerou que Suzana Marcolino foi assassinada, e não cometeu suicídio, depois de matar Paulo César Farias, como defendeu o advogado dos quatro seguranças. "O Conselho de Sentença entendeu que os seguranças não cometeram o crime, mas não fizeram nada para impedi-lo", ressaltou o promotor.

Suzana Marcolino e Paulo César Farias foram encontrados mortos no dia 23 de junho de 1996, em circunstâncias que até hoje não ficaram claras. Na época do crime, peritos da polícia alagoana chegaram à conclusão de crime passional - Suzana teria matado PC Farias e depois cometido suicídio. Durante o julgamento, que durou cinco dias, Marcos Mousinho sustentou que as investigações dos peritos foram direcionadas para crime passional desde o primeiro momento em que os corpos foram encontrados, horas depois do crime.

Nesta terça, ele ressaltou que há a possibilidade de um novo julgamento, caso seu pedido seja acatado em todas as instâncias, já que há a possibilidade de o advogado José Fragoso Cavalcante, que defendeu os policiais militares, recorrer de uma decisão favorável ao pedido do MP. Nesse caso, o processo será remetido ao Supremo Tribunal Federal, a quem compete a decisão final.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.