Promotor pedirá abertura de ação contra Roriz

O promotor de Defesa da Ordem Tributária do Ministério Público do Distrito Federal, Zacharias Mustafa, informou nesta segunda-feira que até o fim do mês encaminhará à Justiça um pedido de abertura de uma ação civil pública contra o governador do DF, Joaquim Roriz, por crime de improbidade administrativa.Mustafa esclareceu que o pedido de abertura da ação será fundamentado nos resultados das investigações que o MP-DF realiza há um mês sobre autorização dada pelo governador para que uma dívida de R$ 6 milhões da empresa Martins Comércio e Serviço com o Governo do Distrito Federal fosse perdoada. Nesta segunda-feira, quando o promotor Mustafa e o procurador Eduardo Albuquerque se preparavam para ir à residência oficial do governador, em Águas Claras, o primeiro informou à Agência Estado que iriam ouvir o depoimento de Roriz sobre o assunto.Mais tarde, porém, a assessoria de imprensa do Ministério Público do DF afirmou que não houve um depoimento do governador e que o promotor e o procurador foram à residência dele "para conversar sobre o assunto". Zacharias Mustafa disse que o pedido de abertura de uma ação civil pública contra Roriz será por crime de improbidade administrativa.O promotor informou também que enviará ao procurador-geral da República, Geraldo Brindeiro, uma representação para que Roriz seja processado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) por falsidade ideológica, já que teria assinado um documento para validar a operação com data falsa. Segundo o promotor, o governador subscreveu o documento no qual concede o perdão da dívida em agosto com data retroativa a 28 de junho de 1999.A promotoria apurou que a Martins Comércio e Serviço tinha uma dívida total de R$ 12 milhões - dos quais somente a metade foi desembolsada pela empresa - pelo não pagamento do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). Até às 18h, o depoimento do governador ainda não havia terminado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.