Promotor é condenado por matar a mulher grávida

O promotor de Justiça Igor Ferreira da Silva foi condenado hoje à tarde a 16 anos e quatro meses de prisão pelo assassinato da esposa, a advogada Patrícia Aggio Longo, de 28 anos, que estava grávida de sete meses. A condenação é por homicídio qualificado e aborto provocado sem o consentimento da gestante. O crime ocorreu no dia 4 de julho de 98, em Atibaia, interior de São Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.