Promessa sobre ficha suja afeta palanque de PT e PSDB

Se PT e PSDB cumprirem a promessa de não ter candidatos com ficha suja na disputa pelos governos estaduais, Senado e casas legislativas nas eleições de outubro, ambos vão ter de abrir mão de importantes nomes - alguns já apresentados como pré-candidatos. A promessa foi feita pelos presidentes dos partidos, José Eduardo Dutra (PT) e o senador Sergio Guerra (PSDB), durante debate no auditório do Grupo Estado, na segunda-feira, em São Paulo.

AE, Agência Estado

12 Maio 2010 | 12h02

Ex-governador da Paraíba e pré-candidato tucano ao Senado, Cássio Cunha Lima não poderia concorrer. Foi cassado em última instância por decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) por abuso de poder econômico e político e deixou o cargo em fevereiro de 2009. Procurado, Cunha Lima não respondeu ao pedido de entrevista.

Já no Tocantins, o PT perderia o aliado e amigo pessoal do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o ex-governador Marcelo Miranda (PMDB), parceiro do governo federal no projeto Manuel Alves, de produção de frutas para exportação, uma das obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) inauguradas pela ex-ministra da Casa Civil e pré-candidata do PT Dilma Rousseff antes de estar concluída. Miranda foi cassado TSE e deixou o governo em agosto. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Mais conteúdo sobre:
eleição ficha suja PT PMDB alianças

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.