Projeto visa livrar fronteiras do Mercosul do narcotráfico

Os países do Mercosul - Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai - além da Bolívia, concluíram nesta semana um projeto para as comunidades das fronteiras comuns. Coordenado pela Secretaria Nacional Antidrogas (Senad), ele quer evitar a aproximação dos habitantes locais com o tráfico de drogas, além de ampliar o conhecimento sobre o assunto."Passamos a mostrar que, muito mais do que vítima, a sociedade é a solução contra os tóxicos", afirmou nesta sexta-feira o secretário da Senad, Paulo Roberto Uchôa.Durante seis meses, a Senad, junto com seus congêneres dos quatro países, reuniu-se com prefeitos e líderes comunitários, além de professores, para capacitá-los sobre as formas de evitar que a população se aproxime do narcotráfico. "O resultado foi positivo, pois atingimos diretamente mais de 600 mil pessoas", afirmou Uchôa.A fase de testes começou em Uruguaiana (RS) e Paso de los Libres (Argentina), Santana do Livramento (RS) com Rivera (Argentina), Ponta Porã (MS) e Juan Pedro Caballero (Paraguai) e Corumbá (MS) com Puerto Suarez (Bolívia) e Puerto Quinário (Bolívia).Segundo Uchôa, o projeto poderá ser expandido para outras regiões do País, principalmente na área de fronteira da Amazônia. Ele foi discutido na 4ª Reunião de Autoridades de Aplicação em Matéria de Droga, Prevenção de seu Uso Indevido e Reabilitação de Dependentes de Drogas do Mercosul (RED), encerrada nesta sexta.Segundo a Senad, ele será encaminhado para a Comissão Interamericana de Controle ao Consumo de Drogas (Cicad) das Organizações dos Estados Americanos (OEA).Uchôa explicou que a união entre as comunidades fronteiriças foi fundamental para que o projeto se desenvolvesse. "Escolhemos algumas cidades e juntos encontramos soluções e demos cursos de capacitação únicos", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.