Projeto poderá ajudar na produção pesqueira

O Projeto Deproas, Dinâmica do Ecossistema de Plataformas da Região Oeste do Atlântico Sul, pretende estudar as formas de penetração da Água Central do Atlântico Sul (Acas) na plataforma continental, zona imersa que começa na praia e vai até aproximadamente 200 milhas (cerca de 320 km) mar a dentro. Os pesquisadores vão verificar a intrusão da Acas na costa, os processos pelo qual isso se realiza e os efeitos no ecossistema.A Acas está associada com o fenômeno da ressurgência, que acontece no verão. A temperatura da água oceânica diminui de acordo com o aumento da profundidade. Se as condições de vento são favoráveis, essa água mais fria se desloca em direção à costa, onde a profundidade é menor e ela pode aflorar, fenômeno chamado de ressurgência. ?Quando a Acas tem boa penetração, há uma alta produção de nutrientes, microorganismos que alimentam as larvas dos peixes. Dois anos depois, eles já estarão disponíveis para pesca?, explicou Belmiro Mendes de Castro Filho, coordenador geral do Deproas. Os pesquisadores estão coletando material e armazenando dados como temperatura, salinidade, oxigênio, clorofila, sais nutrientes e sedimentos em suspensão. Farão experimentos para obter medida da taxa de fotossíntese, determinarão o quanto de luz penetra na água, e farão estimativas de taxas de transferência de biomassa e energia para a cadeia alimentar. Também farão coleta de amostras do fitoplâncton, do zooplâncton e do ictioplâncton (larvas de peixes). A Petrobrás está interessada em uma parte dos dados que serão obtidos pelos pesquisadores do Projeto Deproas e poderá fornecer óleo combustível para o navio. Para a empresa, os dados sobre movimentação das águas oceânicas na região serão muito úteis no planejamento da instalação das plataformas petrolíferas na região. O estudo é financiado pelo Ministério da Ciência e Tecnologia, pelo Programa de Apoio a Núcleos de Excelência (Pronex), e já recebeu US$ 2,3 milhões de investimento para aquisição de equipamentos e montagem de laboratórios.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.