Projeto eleitoral faz PT-SP cobiçar cargos no Estado

O PT planeja aumentar seu espaço e influência na máquina federal do Estado de São Paulo como forma de tentar romper a hegemonia da aliança PSDB-DEM na Prefeitura e no Palácio dos Bandeirantes. Para se fortalecer, os petistas querem controlar a maior parte da estrutura orçamentária da União no Estado, quase R$ 11 bilhões divididos em 39 mil cargos, 660 comissionados.

AE, Agência Estado

21 de fevereiro de 2011 | 09h02

Integrantes da bancada paulista do PT fizeram nas últimas duas semanas reuniões com a direção partidária, em Brasília, para identificar o mapa das nomeações atuais, ou seja, com qual partido está determinado órgão ou quem é o padrinho dos nomeados, além de discutir os critérios das indicações para os postos do governo federal no maior colégio eleitoral do País.

O PT considera estratégico ocupar as estruturas de órgãos sociais em São Paulo, como braços de ministérios que fazem investimentos em habitação, saúde e educação no Estado. "Temos em São Paulo investimentos importantes do Minha Casa, Minha Vida, investimentos importantes em saneamento. Mas as pessoas não sabem que foram feitos pelo governo do PT", afirma uma liderança do partido no Estado.

O PT avalia que uma das maneiras de quebrar a resistência da classe média paulista e, assim, ganhar força eleitoral é "disputar a autoria" dos investimentos feitos em São Paulo com as administrações do PSDB, no governo paulista desde 1995, e do DEM, na prefeitura da capital. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
PTSPcargosprojeto eleitoral

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.