Projeto do PFL não criticará FHC, diz Lembo

O presidente estadual do PFL de São Paulo, Cláudio Lembo, negou hoje que o programa de governo do partido trará um conteúdo crítico em relação à gestão do presidente Fernando Henrique Cardoso. "Não é verdade. O PFL é um partido que busca a governabilidade, foi sustentáculo do governo FHC e não abdica da posição de ser sempre útil a ele", disse Lembo.Na sexta-feira, após quase dois anos de debate, a cúpula pefelista reúne-se em Belo Horizonte para apresentar a versão final do trabalho: "Diretrizes para um Programa de Governo - PFL 2003: Compromisso com o Desenvolvimento"."Haverá visões novas de como governar, mas não um rechaço, um afastamento do passado. O que é bom do passado será preservado. O que é mau, teremos de rever", disse Lembo, que evitou entrar em detalhes sobre os pontos que passaram pela revisão do partido. "Um item é considerado mau por que a sociedade muda. Em determinado momento, o que era positivo se altera e se torna oneroso, então, tem de ser alterado para que possa continuar a receber nosso apoio", afirmou. Para Lembo, os pontos básicos da política são irreversíveis. "O Brasil integrou-se à comunidade mundial e não poderá por si só abdicar. Voltar aos anos 50 seria ingenuidade." A presença da governadora do Maranhão, Roseana Sarney (PFL), no evento da capital mineira não foi confirmada. Lembo acredita que ela não irá, mas nega que a ausência é por causa do temor, manifestado por uma ala da legenda, de oficializar a candidatura de Roseana antes da hora. "O lançamento do nome dela, da figura da governadora, foi feito de uma forma bastante clara e nítida, mas ainda se sabendo que teremos a convenção no ano que vem. Se ela for ao evento, irá como membro do partido, que deve analisar o programa do PFL, como qualquer cidadão brasileiro deve fazê-lo."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.