Projeto de poder passa pela web, diz secretário-geral tucano

Para o deputado federal Rodrigo de Castro, internet pode reverter distanciamento político

Daniel Jelin, do Estadao.com.br,

20 de julho de 2009 | 13h47

A Executiva Nacional do PSDB aprovou este mês a regulamentação das prévias internas para a escolha de seu candidato a presidente em 2010, caso não haja consenso entre os governadores de São Paulo, José Serra, e de Minas Gerais, Aécio Neves. O texto é do secretário-geral do partido, deputado federal Rodrigo de Castro (MG). "Temos dois pré-candidatos fortes, que merecem um processo de escolha democrático, abrangente e empolgante", diz Castro, que foi colaborador de Aécio em seu primeiro mandato como governador. A novidade das prévias, segundo o deputado, indica o caminho da democratização partidária dentro do PSDB. Há mais pela frente, ele diz. "É a internet. É uma poderosa ferramenta de transparência e participação. Não consigo vislumbrar qualquer projeto de poder sem uso da internet", diz. Leia a seguir trechos da entrevista.

 

Veja também:

especial Especial: Força e vício dos partidos brasileiros

O que muda no PSDB com as prévias?

O partido tem que caminhar para uma democratização de suas decisões, especialmente no tocante à Presidência da República. Nós temos dois pré-candidatos fortes, atuantes, com grande história política, governando Estados importantes, que merecem um processo de escolha democrático, abrangente, empolgante. Então as prévias permitem tudo isso.

Mas ainda falta definir o colégio eleitoral.

É só isso que está faltando. Não é uma questão que divide, quem é Aécio, quem é Serra. É só uma questão de ordem prática. Nós queremos fazer das prévias um instrumento vigoroso, que seja uma etapa para a vitória em 2010 e temos de ter certeza na hora de definir com quem nós podemos contar. Hoje nós não temos isso. O partido hoje não tem a organização de seu banco de dados. Nós não temos os nossos filiados organizados. Então a gente depende disso para definir. A questão é administrativa. Não é uma questão política.

E nos Estados, haverá prévias?

Esse modelo é sempre bom. Quanto mais democrático for o processo de escolha, melhor. Mas geralmente as prévias constituem algo mais abrangente. Agora vamos começar pela presidência porque nós não temos uma tradição disso. Nunca tivemos um episódio de prévias. Vamos ver. Independente de qualquer questão, a democratização dos partidos é fundamental para que eles cresçam. É impossível construir um partido apenas falando de cúpula partidária. Creio que essa é uma tendência da democracia participativa, ainda mais nos dias de hoje

As comissões provisórias não são um impedimento à democratização dos partidos?

Realmente nós temos hoje experiências nos partidos de comissões provisórias em que as cúpulas acabam ficando donas do partido. Não é o caso dos grandes partidos brasileiros. Isso ocorre de maneira significativa em legendas médias e pequenas. Acho que são coisas distintas que fazem parte do mesmo processo: democratizar as decisões do partido e dar mais autonomia às bases. As comissões provisórias devem ser exceção, não a regra.

Que outras medidas podem tornar a vida partidária mais transparente?

A internet. Todo mundo despertou para a importância do tema após a eleição do Obama. É uma poderosa ferramenta de transparência e participação. Não consigo vislumbrar qualquer projeto de poder sem uso da internet. Ela vai gerar uma revolução, em termos de participação, acompanhamento. Quem souber usar a internet, com certeza vai sair na frente.

Já existem propostas concretas?

Estamos trabalhando intensamente nessa questão. Iniciamos um processo de reformulação do nosso site. O cadastramento das prévias se dará pela internet. Estamos estudando todos esses novos mecanismos, como blogs, Twitter, estamos investindo em internet 2.0. Acho difícil a gente ter um nível de participação igual ao dos EUA, mas com certeza teremos em 2010 uma utilização da internet muito maior que no passado. Além da descrença na política, existe hoje um processo de distanciamento das pessoas. E a internet é um grande instrumento para reaproximá-las.

Tudo o que sabemos sobre:
partidosPSDBRodrigo de Castro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.