DIDA SAMPAIO/ESTADÃO
DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

Projeto da desoneração pode ser votado apenas após feriado, diz Cunha

Governo busca acordo na base para conseguir votar o projeto até a quinta-feira

NIVALDO SOUZA, Estadão Conteúdo

20 de maio de 2015 | 19h02

O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), minimizou o risco de o contingenciamento orçamentário em gestação no governo ser maior do que o necessário por causa da dificuldade do Palácio do Planalto em conseguir acordo para votar o projeto de lei revisando a política de desoneração da folha de pagamento. "O governo não tem a data de amanhã fazer corte. Ele (governo) pode fazer amanhã e pode fazer outro corte depois, isso não é impeditivo para nada. Em segundo lugar, o governo já tem mais ou menos ideia do que está para ser votado. Então não vejo nenhum impeditivo para isso", disse.

O governo busca acordo na base para conseguir votar o projeto até a quinta-feira, 21, antes do anúncio do corte, que deve ficar entre R$ 70 bilhões e R$ 80 bilhões. Cunha, contudo, sinalizou que a votação pode ocorrer apenas depois do feriado de Corpus Christi, uma vez que a reforma política está pautada para apreciação na semana que vem. "O PL das desonerações está na pauta e se até amanhã for votado, muito bem. Senão vai ficar para a próxima semana, depois do feriado", afirmou.

Apesar da sinalização, o líder do governo na Câmara, José Guimarães (PT-CE), se disse confiante na votação da desoneração. "Nós vamos dialogar muito até amanhã", falou. "Nada está petrificadamente acertado", observou.

Guimarães considerou que a decisão de contingenciamento será tomada independentemente da aprovação da desoneração. "A presidente (Dilma Rousseff) vai contingenciar aquilo que for necessário", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.